RSS

Arquivos mensais: Outubro 2012

Motodax – Motor Salad Burger

Imagina que você tem uma motoca e precisa dar aquela lavada, tocar o óleo, fazer a manutenção …
Que mané moto, mano, essa bagaça não é um blog de hambúrgueres?

Calma pequeno gafanhoto, coloca/clica aí ->   para criar o clima da parada.
Esse foi o som que estava tocando quando chegamos e o som com o qual estou escrevendo isso aqui.

É o seguinte, o escolhido da vez é o do Motodax. O lugar é uma oficina e “lava car” de motos, e além disso, tem um bar e  tem hambúrgueres!
Lugar de reunião de motociclistas. Veja bem, motociclistas, aqueles caras com motos caras, grandes e bonitas, não motoqueiros, motoqueiros são vida loka de CG, mas acho que esses não vão lá.
Na rua, estacionadas na frente do lugar, parecia uma exposição de motos, devia ter umas 30 customs, essas tipo Harley Davidson e uma ou outra speed, que é moto de jovem playboy que gosta de aparecer.

E você se pergunta: O que esse piá que malemal sabe andar de bicicleta, e não tem nem grana para uma Honda Biz, foi fazer lá?
Comer, ué!  E se for pensar que quase todo motociclista é pançudo, isso quer dizer que os caras entendem de comer porcaria, assim como nós, e gostam de rock, assim como nós, e tem barba, assim como nós, e tem motos caras, e bebem cerveja… é, acabaram as semelhanças.

Mas para você que como a gente não tem uma motoca, vamos fazer um moto-clube, só para termos um coletinho preto de couro com um patch nas costas (coisa que particularmente acho meio brega, e por falar isso provavelmente eu vá apanhar em algum bar de beira de estrada) e frequentarmos o lugar. O nosso clube vai ter um legítimo nome paranaense, sugerido pelo Yuri, vamos ser os “Pinhões do Asfalto”.   LOL

Chega de palhaçada, vamos falar da comida!

Motor Salad Burger, porque sou motociclista barbudo e malvadão no Road Rash, mas não sou pançudo ainda, então tem que ter uma saladinha.

Começando pelo pão, do dia, muito parecido com o que usam no Barba, deve vir do mesmo lugar, um pouco escuro em cima, devem passar ovo e colocar para assar com um monte de gergelim colado, colado mesmo, não é dos que ficam caindo gergelim aos milhares por toda parte.

O hambúrguer é da mesma (boa) escola do Rock’a Burger, olha o tamanho dessa carne em relação ao resto, ela só perde em tamanho para o alface, e isso é muito legal, é aquele história de comer com os olhos, bando de olho gordo rá-rá-rá!
E é aí que entra o ponto alto e baixo de toda história, o nosso querido hambúrguer. Estava suculento a ponto de escorrer pela mão e isso é uma coisa muito bem vinda.
É grande (180g segundo o cardápio, mas de olhar eu achei que tinha umas 200g), bonito e vistoso, com um gostoso bom de “assado” na crostinha de fora, mas estava um tanto cru no núcleo nervoso central, não era mal passado, era cru mesmo, tipo carne de onça, mais um pouquinho na chapa e teria ficado excelente e eu até subiria a nota. Mas aqui no blog e na vida é assim, One life, one chance, gotta do it right!

O queijo não foi derretido direto em cima do hambúrguer, aí rola aquele lance do queijo embolar tudo na hora de tirar da chapa e passar pra cima da carne, aí ficou uma bola de queijo derretido no meio do hambúrguer, mas isso não é problema, ficou bem boa essa concentração de queijo, nas mordidas que vinham queijo.

E a salad, uns baita pedaços de alface fresca e crocante que deixaria minha mãe orgulhosa se me visse colocando aquilo num prato de comida, e umas duas rodelas de tomate um pouco verde, mas é salada né, tem que comer porque faz bem não porque é gostoso.

Últimas considerações antes de pegar a estrada.
O lugar é bem legal, o hambúrguer é dos melhores e nas quartas-feiras os sandubas ficam pela metade do preço, isso é muito convidativo à gula.
E uma coisa nada a ver mas que é legal, é que desde a hora que chegamos até irmos embora os caras lavaram umas três ou quatro motos.

Ficha técnica:

Motor Salad Burger

Ingredientes: “Pão, hamburger motorcaffe de 180g, maionese, queijo, alface, tomate, molho esp” Mas o cara disse que não vinha com o molho mais.

Preço: R$14,00(quarta-feira paga 50% nos hambúrgueres) mais uma coca-cola lata de R$3,50. Total R$10,50.

Ponto alto: O tamanho, o preço, o lugar legal, bom atendimento.

Ponto baixo: A carne crua e não acompanhar batata.

Avaliação: B

O Motodax fica na Rua Conselheiro Laurindo,2935, no Prado velho, mais ou menos perto do Teatro Paiol. (41) 3333-3077.

Anúncios
 
6 Comentários

Publicado por em 10/25/2012 em Uncategorized

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Mister Dog – Big Bagunça

Hohohohohoho, agora sim! Big Bagunça. Não é preciso explicar nada de um sanduíche batizado com essa alcunha vinda do caos, da desordem, da mistura inusitada, da surpresa em forma de sal — mas claro, vamos explicar, afinal, é para isso que estamos aqui.

O Big Bagunça é assim, esse titã de Rabelais, porque é uma criação do Mister Dog, simpática lanchonete de mesas de plástico situada nas divisas entre o Água Verde e o Portão. Como o nome diz — ah, a simplicidade dos nomes objetivos! Hoje são eles quem escrevem o texto —, o Mister Dog é um lugar especializado em hot-dogs, ou cachorros-quentes, por definição o antípoda do hambúrguer no beligerante território dos sanduíches de fast-food. Claro, para quem não sabe, na derivação da salsicha processada (outra invenção alemã, temo eu), disfarça-se a falta de frescor de uma carne embutida mega condimentada com o quê? O quê? Mais condimentos. Todos, se for possível, quanto mais, melhor. Vem daí a lógica das barraquinhas de cachorro quente, que tabelam seus preços baseado apenas na quantidade de salsicha ou no tipo de queijo (queijo?) que acompanha, sendo todo o resto opcional. E estamos falando aí de molho de tomate, milho, ervilha, queijo ralado, maionese, ketchup, mostarda, frango desfiado… já vi colocarem até coração de galinha (!).

Resta então, ao estabelecimento acostumado a mexer com essas carnes de décima categoria, a boa e velha carne de várzea, o refugo, aquela cujo processo de fabricação desmotivaria seus consumidores se estes o conhecessem, como dizia Churchill, resta a esses antros, enfim, transferir a lógica do know-how obtido em anos de camuflagem do sabor ao hambúrguer, sanduíche em que, diferentemente do hot-dog, o sabor em si não é um problema técnico a ser resolvido, mas um ideal a ser alcançado. Nessa brincadeira inventaram o Big Bagunça, nada mais, nada menos que o sanduíche mais caro do estabelecimento que, para ser totalmente justo, não é exigente com seus preços. Diz o cardápio feito de papelão molhado pelas tulipas de cerveja, pela chuva que passa o toldo de plástico, pelas intempéries dessa vida boêmia de tempestades e bonanças: Big pão, hambúrguer 200g, queijo, ovo, calabresa, bacon, frango desfiado, milho, maionese e ketchup. Tudo isso, meus senhores, tudo isso, é fácil de perceber, configura um hambúrguer com alma de cachorro-quente. Como Tarzan, que cresce em meio aos gorilas selvagens alheio à sua verdadeira essência humana, o Big Bagunça é um homo-sapiens entre primatas do velho mundo.

Mister Dog

Numa primeira olhada, fica fácil ver, de cara, que o hambúrguer não tem, como diz seu anúncio, 200g. Eu já vi hambúrgueres de 200g antes e nenhum se parecia com esse disco achatado e esturricado que encontra a camuflagem perfeita entre outras carnes. Por outro lado, com essa quantidade de coisa dentro do sanduíche, quem é que iria conseguir parar para pesá-la? Eu sei, eu sei, não dá para ver a carne nessa foto, mas temos que apresentar o hambúrguer aqui como ele é apresentado para nós, sem frescura, sem favorecer nada, sem fingimento. O que é bom e ruim ao mesmo tempo, já que sabemos que a foto é apenas uma fração da realidade, e que o sabor da coisa não dá para ser transmitido com propriedade em todas as fotos. Sei que esse Big Bagunça, por exemplo, do jeito que tá, parece que foi feito de detritos encontrados no lixão e jogados numa fritadeira com oléo guardado de duas semanas, e com isso não estou dizendo que essa é uma possibilidade descartável. Uma coisa é certa: algumas coisas foram tostadas, outras, nem tanto. Mas vamos por partes.

Aliás, por partes não, porque não sou profissional para conseguir, em uma mordida no Big Bagunça, distinguir o frango da calabresa do bacon, da carne, de tudo. É tudo uniforme, homogêneo, e o sabor que prevalece aqui é, obviamente, a da calabresa. Ora, embutidos, embutidos, por onde se embutirão? Em cima do Big Bagunça, ora essa. A casa não poderia deixar de colocar uma linguiça nesse hambúrguer, é como o conto do sapo e do escorpião, está nos seus genes f*** com o sistema, para usar aqui um bordão do esquecido Capitão Nascimento. O resultado é uma sobreposição de sabores cobertos por uma calabresa dominante, um embutido macho-alfa nessa terra de carnes fritas. Por baixo vem o bacon, depois o frango, o queijo, o milho e lá embaixo, nas profundezas das fossas Marianas, a carne, seca, salgada e sem graça.

O pão é uma grata surpresa. O bom e velho pão industrializado, vendido em sacos plásticos com 50 deles colados uns nos outros pelas laterais, pode manter um frescor se armazenado corretamente, o que parece que aconteceu. E isso é ótimo, na verdade, porque indica uma boa vontade higiênica que poucos podrões têm hoje em dia. Se o pão viesse meio estragado, ia saber que ele ficou guardado embaixo da pia, junto com aquele fungo nojento que cresce atrás do encanamento e se expande como uma esponja que não sabe a hora de parar, ou sabe lá Deus onde mais! Não não, o pão é uma boa primeira impressão. Pelo menos a essa aula ninguém faltou no curso do Centro Europeu!

O resto do sanduíche é uma fanfarronice que só, mas ainda assim, não podemos tirar o mérito de quem tem senso de humor. Uma receita que nasceu da falta de criatividade, um nome que nasceu da interjeição surpresa do chef, isso não pode ser desprezado por quem é jovem, gosta de comida salgada e de bons desafios para o jejuno-íleo. O Big Bagunça é isso, afinal. É a juventude de quem pode pensar amanhã nos problemas coronários, na baixa taxa de colesterol HDL, na dieta do verão, nos problemas da vida adulta pós-moderna. Como não amar, como não respeitar, como resistir ao impulso de se jogar tão perigosamente assim dentro do campo de visão da morte apenas para retornar à zona de conforto logo depois com a pança cheia? Ficamos por aqui com a certeza de que, na falta de aventuras e na falta de frescuras, Big Bagunça to the rescue!

Ficha técnica:

Big Bagunça

Ingredientes: Big pão, hambúrguer 200g, queijo, ovo, calabresa, bacon, frango desfiado, milho, maionese e ketchup”.

Preço: R$14,90 mais uma coca-cola lata e 50% de uma porção de batatas fritas, ficou R$21,40.

Ponto alto: O tamanho, o preço, a aventura e a ousadia.

Ponto baixo: Carne seca, justaposição de sabores, caos (no mau sentido).

Avaliação: C-

O Mister Dog fica na Avenida dos Estados, 1250, esquina com a Rua Morretes, no Água Verde. (41) 3408-0884.

 
1 Comentário

Publicado por em 10/18/2012 em Uncategorized

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Mister Dog – Big Calabresa

Não tem frescura, não tem quadro do Elvis, não custa 28reais, não tem decoração kitsch e nem música lounge. Uma televisão grande passando Jornal Nacional, mesas e cadeiras vermelhas de plástico da coca-cola, um único atendente atencioso, cardápios já disponíveis em todas as mesas, um lugar tranquilo e meio de família, coisa que só se encontra fora desse circuito supervalorizado e glamourizado de hambúrgueres gourmets, especiais, primes e et cetera.
O negócio aqui é simplão, tá ligado!

As vezes canso desses lugares da moda, lugares que são meio pré-balada, lugar em que todo mundo vai arrumado, como no Batel, ou lugares onde o povo vai para ver e ser visto, como na Trajano Reis. Ando meio enfastiado dessas babaquices. Quero só sentar e comer, simples assim.
A parada no Mister Dog é tipo lanchonete, não acompanha batata-frita, não tem viadagem decorativa no prato, o sanduiche vem num saquinho de papel branco, clássico.
Mister Dog tem esse nome porque o prato principal da casa é o cachorro quente, são dezessete (!) opções de hot-dogs, contra seis (boas) opções de hambúrguer.
O lugar tem todas as características das lanchonetes dos bairros mais afastados, ou de cidades do interior como foi citado no blog Baixa Gastronomia, da Gazeta, que deu origem às recomendações que recebemos, e nem fica na C.I.C, no Capão da Imbuia ou em Colombo… ou seja, a chance de chegarem atirando em todo mundo na procura de um nóia com dívida na boca vai ser mínima, mas a chance de furtarem o seu carro é alta, já que o Água Verde é o bairro com maior número de furto de veículos. Já avisava o poeta da juventude anos 00, Chorão.
“Nem tudo lhe cai bem.
É um risco que se assume.
O bom é não iludir ninguém.”

Ah, o nome “Mister Dog” parece que não é oficial, tanto que não tem placa nem nada, mas no cardápio ainda está assim e nós vamos chamar disso. A foto no início do post está uma porcaria mas da para perceber a placa da Pizzaria que fica ao lado, é a melhor referência para achar o lugar.

Só mais um detalhe antes de falar de comida, que é pra que foi inventada essa bagaça afinal: uma coisa que chama atenção no ambiente é o caixa na hora de pagar (na real eu reparei logo que entrei), você fica vendo o cara inteiro, é engraçado, o caixa é uma cabine feita nos moldes e na mesma onda arquitetônica que inspirou as paredes de vidro do Kharina Batel. Saca só!

E vocês tirando foto e achando o Sláinte super descolado com aquela cabine telefônica importada.

Agora o Big Calabresa.


Meu contato com linguiça calabresa é quase sempre nas pizzas e as vezes nos X-tudos, e como um X-calabresa ainda não tinha rolado aqui no blog, foi esse o escolhido.
Uma coisa boa dessa calabresa, contrária ao que sugere o nome da pimenta calabresa, é que não é apimentada. Não gosto muito de coisas apimentadas ou picantes, (só das Spice Girls, rá-rá-rá!), acho foda quando você pede pizza e vem calabresa apimentada e ainda colocam um monte de cebola… mas o negócio aqui não é pizza, é hambúrguer, e essa combinação é bem interessante, porquinho e vaquinha são amigos até depois da morte. Bacon com hambúrguer, linguiça com hambúrguer, tudo combina.
A calabresa fatiada fina, junto do hambúrguer, da uma consistência boa ao mastigar, é como se fosse um hambúrguer maior e mais macio, e com gosto de calabresa, claro!

Não é porque simpatizei com o lugar que vou aliviar, aqui a gente não alivia pra ninguém (a não ser que pague muito bem, aí a gente pode conversar! -risos-). O hambúrguer estava bem passado, 200g de carne bem passada, e um tanto seca.
Não é um hambúrguer gordo ou alto, ele é meio fino(mais ou menos um dedo), porém, grande no diâmetro.
Bem passado quase sempre quer dizer seco, o Big Calabresa padeceu do mal do Mustang Sally. Mesmo problema, mesma solução, maionese para curar a secura da carne e lubrificar as coronárias!
E aí aparece um diferencial do lugar. Além da maionese normal, são mais cinco bisnagas com molhos, ou seja, 6 opções de complementos. E tem lugar aí que fica regulando e quer cobrar por um molhinho extra, pfff!
Tem umas duas bisnagas com mostardas, uma de catchup, uma que eu acho que é pimenta, e uma maionese verdinha especial — o especial é por minha conta, pra mim ela foi especial, adorei aquilo!
É uma mistura muito suave de maionese, alho, cheiro-verde e talvez mais alguma coisa que não tenha identificado. Geral fala da maionese do Come-Come (e a verdade é que ela é mais comentada do que realmente saborosa) porque não experimentou essa.
Salada bem fresca, olha esse alface que crespa e que salta, não só aos olhos, e que dá uma benfazeja crocância, além do tomate que foi importante já que a carne estava um pouco seca, mas ao mesmo tempo acho que o tomate rouba um pouco o gosto da calabresa, nada de mais mas da uma roubada.
O queijo confesso que nem reparei, ou seja, poderia ter um pouco mais para que fosse mais representativo e ajudaria a dar uma liga melhor.
Tudo isso dentro de num pão de leite grande e macio, sem gergelim, que para ficar mais típico de lanchonete de interior, poderia ter sido colocado na chapa para dar uma tostadinha. Por enquanto só o Guiolla fez isso e ganhou minha admiração. (outros também ganharam, mas por outros motivos).

Resumindo, se estiver passando pelo  Água Verde, ache a tal Avenida dos Estados e vai até quase o final, no sentido do bairro. Vale dar uma passada para encher a pança.


Ficha técnica:

Big Calabresa

Ingredientes: “Big pão, hambúrguer 200g, queijo, calabresa fatiada, alface, tomate, maionese e catchup.”

Preço: R$12,00 mais uma coca-cola lata e 50% de uma porção de batatas fritas, ficou R$18,40.

Ponto alto: O tamanho, preço, e o molhinho verde especial.

Ponto baixo: A carne seca.

Avaliação: C+

O Mister Dog fica na Avenida dos Estados, 1250, esquina com a Rua Morretes, no Água Verde. (41) 3408-0884.

 
6 Comentários

Publicado por em 10/04/2012 em Uncategorized

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,