RSS

Charles Burger – Concept B CCO

16 Nov

Antes de começar o post de hoje, um pequeno recado: na próxima segunda-feira, às 8h da manhã, eu e Murilo falaremos sobre o Good Burger, no programa Light News, da Transamérica Light (95.1 FM). Ouça-nos que vai ser legal!

E vamos ao que interessa.

Fiz o meu soulsearch antes de optar por escrever sobre um hambúrguer imaginário como Joana de Canudos. Não seria justo com o estabelecimento julgá-lo por um lanche que eu mesmo criei a partir da liberdade que o Charles Burger dá para quem quiser pagar individualmente pelos ingredientes, mas acho que poderia assumir parte da responsabilidade pela receita enquanto a casa assumiria sua culpa pelo preparo, e dessa forma, não furtaríamos a esse espaço experimental mais esta invenção.

Ora, a esta altura do campeonato já rodei por muitas hamburguerias e experimentei combinações inusitadas. Algumas contidas, outras nem tanto, algumas saíram da curva do bom-senso, outras se resolveram com apostas mais certeiras do que comprar títulos do tesouro nacional. Mas nem todas resolveram meus questionamentos gastronômicos, os “e se…” que acumulei ao longo deste período. Mas eis que vem o Charles Burger, em uma noite de andanças militares de doer a canela (obrigado, Murilo, por me fazer caminhar por três bairros inteiros. Os taxistas não pegam um passageiro com a cara dele na rua, vejam vocês o preconceito, gente), a me oferecer a porta para os segredos da cozinha instintiva.

Funciona assim: você escolhe o tipo da carne e os ingredientes em uma longa lista que compartilho com vocês. A ideia serve para curiosos ávidos como eu, mas também poupam um eventual descontentamento com um conveniente “foi você que escolheu essa mistureba aí” por parte do cozinheiro. Bom, deixemos que cada culpa recaia sobre seu réu conforme manda a jurisprudência ética das lanchonetes. Eis o cardápio.

Charles Burger

Bom, diante dessas opções, vou explicar o que tentei fazer. Primeiro, dada a pouquíssima quantidade de carne do hambúrguer, achei por bem pedir logo dois. 240 gramas é bastante, mas, convenhamos, já enfrentamos colossos maiores por aqui. Então, resolvi adicionar quatro ingredientes: ovo, Catupiry™, maionese e champignon. Basicamente, um degradê de texturas. Na forma como eu imaginava na minha cabeça, haveria a porosidade do pão, seguida da porosidade cremosa do ovo, seguida da cremosidade coloidal da maionese, seguida da cremosidade encorpada do Catupiry™, seguido da singular e macia textura do champignon, encerrado com a fibrosa e suculenta carne que encerraria este carnaval de ritmos em descompasso. Imaginava que esta seria a receita que o Fifities gostaria de fazer, mas não teve a competência para tal, e já tinha grandes expectativas quando me chega esta coisinha aqui:

Concept B CCO

Já leram Reparação, do Ian McEwan? A menina Briony Tallis está escrevendo uma peça para comemorar o retorno de seu irmão à casa, e parece que tudo vai bem até que começa a depender dos atores, seu priminhos, completamente despreparados para a dramaturgia, e a coisa desanda como era de se supor. A sensação aqui é parecida. Meu Gedankebild foi arruinado pela prática mesquinha dos hambúrgueres congelados, do Catupiry™ falsificado, do pão industrial e do champignon fatiado, sem falar no plastiquinho, o niqab dos sanduíches feios.

Veja, tudo o que eu queria era que isso fosse feito com o menor nível de intervenção industrial possível, mas eis que o contrário acontece. O pão tem um gosto envelhecido, de quem ficou mal guardado num armário mofado, a carne congelada sempre está fora das proporções necessárias para criar um miolo suculento e agradável, e pra piorar ficou esturricada demais, como é possível perceber com a foto. O Catupiry™ não é Catupiry™, é aquela porcaria de pasta industrial sabor queijo, rala e porosa, que os tios das barraquinhas de hot dog colocam no prensadão de R$3,50. E o champignon foi fatiado em tiras finas, impossível de se aproveitar sua consistência delirante. É sério, o truque é pegar brotos pequenos e colocá-los inteiros no prato. O estipe dá um contraste animal com o chapéu. Apenas o ovo saiu mais ou menos como o previsto. Mas também, filhão, não saber fazer um mísero ovo frito é pedir pra mudar de carreira, né?

Mas eis que um ingrediente esquecido, pelo qual ninguém dava nada, começa a falar mais alto nessa tragicomédia de desastres à lá McEwan, provando que nem tudo está perdido: a maionese sublime, vejam vocês, não é industrializada, mas uma criativa mistura caseira a base de outros ingredientes, infelizmente camuflados demais na pasta uniforme. Uma leve camada de maionese ao fundo preencheu o hambúrguer conceito inteiro de sabor, e deu para descer essa catástrofe gastronômica que, ainda tenho esperanças, pode ser muito boa se bem executada.

No final, assumo minha responsabilidade por sair da área de expertise do Charles Burger e aventurar-me em um conceito de sanduíche cuja evolução tecnológica ainda não atingiu seus patamares desejáveis. Como quando George Lucas resolveu deixar para filmar o Episódio I quando já tivessem sido inventados efeitos especiais convincentes e, quando a parada pôde ser feita, tudo foi arruinado por Jar Jar Binks e uma péssima escolha de elenco. A vida tem dessas.

Ficha técnica:

Concept B CCO

Ingredientes: Dois hambúrgueres de 120g, Catupiry (sem ™), ovo, maionese e champignon.

Preço: R$18,30 (os ingredientes são caros individualmente, como se pode observar) + Coca em lata de R$3,50 (um centavo por ml, vejam vocês) + 10%. Total: caro.

Ponto alto: A maionese e a liberdade de escolha.

Ponto baixo: Todo o resto, a começar pelo preço.

Avaliação: E

O Charles Burguer fica na Rua Cândido Hartman, 392. Segunda à quinta 18h-23h. Sexta-feira das 18h às 24h, sábado das 18h até às 02h e domingo das 18h às 23h.  (41) 3339-4771.

 
3 Comentários

Publicado por em 11/16/2012 em Uncategorized

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

3 responses to “Charles Burger – Concept B CCO

  1. Leo

    11/19/2012 at 09:23

    Vocês precisam avaliar o Cremonese do Saint Patrick Pub, na Fernando Moreira quase esquina da Des. Motta.

     
  2. Valter

    11/19/2012 at 10:42

    escutei vcs na light news…muito boa a idéia do blog…curti… vai como sugestão vcs avaliarem uma opção bairristica: http://www.facebook.com/DansonsBar
    abs

     
  3. Lucas

    02/14/2013 at 03:57

    Não concordo com isso cara. Vou no charles faz uns 10 anos e os lanches de la sempre são mto bons. Agora que mudou o dono e fizeram um cardapio mto mais legal ficou melhor ainda. O problema de montar o seu lanche é qur muitas vezes você erra na combinação e quem prepara os lanches pode não estar acostumado a montar o lanche com os seus ingredientes

     

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: