RSS

Arquivo de etiquetas: hype

Kaes Bar – Kaes Especial

600249_386137244775131_778625074_n

O Kaes Bar é um bar (não, jura?!) de cervejeiros, futeboleiros, estudantes da federal e fumadores de narguilé (potenciais homens tocha sem super poderes).
O lugar é uma casa antiga, com mesas de madeira e cadeiras com assento de palha trançada. A decoração é praticamente toda baseada em cerveja, quadros de cervejas, garrafas de cervejas, luminárias feita com camisinha de cerveja… No primeiro ambiente, o teto tem uma constelação formada com bolachas de chopp. A mesa em que ficamos tinha o tampo cravado de tampinhas (ou champinhas, como diria meu vô) de cerveja Klein.

Tivemos que pagar dois reais de entrada. Não sei se é todo dia, mas quem que cobra DOIS reais de entrada??
Deve ser porque era dia de futebol na TV, então os dois reais devem ser por causa do pay-per-view … Pode isso, Arnaldo? Pode isso, Anatel?

Enfim, o que nos interessa é que tem umas 10 opções de hambúrgueres, divididos em Premium e Classics. Tá certo que muda muito pouco entre um e outro, mas tudo bem, tem lugares que não tem nem tem três opções.

_MG_0029

O sanduba, como estamos vendo na foto, chama Kaes Especial, e chega pra gente aberto, bonito, analisável, aí cabe a você fechar o bicho e botar para dentro.

Uma das primeiras coisas que chamam atenção, logo em cima, são os cubinhos de bacon, fica bonito visto assim com o pão aberto, mas ao fechar eles meio que desaparecem, quase não são sentidos, percebi mesmo os que caíram e comi separadamente. Bacon em tiras seria melhor, sempre é.

Pãozão, no aumentativo mesmo porque o pão é grande. A base dele deve ter quase uns três dedos de altura. É o pão tradicional de X-salada de lanchonete, de leite, grande, com gergelins que vão se desprendendo e ficando pelo caminho.

Agora, uma coisa perturbadora, e logo a segunda coisa que reparei. Presunto. Colocar presunto e queijo num sanduíche dito premium? Não, né! Isso é coisa de X-salada que a gente come nos Chinas do centro. Colocou a alcunha de premium, a expectativa sobe e aí que o Kaes cai na própria armadilha.
Ainda não estamos nesse ponto de transformar o tosco, o old school, em hype. Tem que esperar passar um pouco mais a moda dos hambúrgueres chics para fazer um Origins desses.
Fora que o queijo nem vi direito por estar embrulhado no presunto e não em cima da carne onde é seu lugar.

A carne, tem 90 gramas, segundo o cardápio, quando li achei que seria bem pouca carne, mas surpreendentemente é um hamburguinho bem razoável. Já vi por aí dizerem que tem 120g e não era maior que esse. Alguém está errando a mão.
Com belas marcas de grelha, tipo de comercial, com um tempero verdinho caseiro, bem passada por fora, e quase bem passado por dentro mas sem perder a umidade, a carne é uma das coisas boas desse sanduíche.

Devia ter pedido sem o barbecue, as vezes esqueço as minhas próprias regras, e uma delas é: sem barbecue. Já disse aqui em outros posts que acho que barbecue contamina tudo, tudo fica com aquele gosto de fumaça adocicada (um lance meio narguile), e pra mim perde muito a graça da brincadeira se tudo fica só com esse gosto.
Minha teoria é que os molhos (maionese não entra nessa) tem que ser servidos à parte. A não ser que seja um molho especial que faça parte da poção mágica que é um hambúrguer premium, gourmet, prime, especial ou outro nome desses.
Se não, faz como vi dia desses no JPL, coloca só um pouco no pão e manda mais num potinho. Simples, né. Se você quiser se entupir de molho fica a vontade, mas se não quiser, deixe estar.

Depois de tudo isso, tem a salada de alface, fresca e crocante, além da rodela quase imperceptível de tomate que repousava tranquilamente na em sua king size que era a metade de baixo do pão.
Acompanha molho/maionese de cebola, alho e verdinho,(num potinho extra). Meio mais ou menos esse molho verde, o melhor da cidade ainda é o do Mister Dog.

O acompanhamento de batatas foi surpreendente e também foi das primeiras coisas que chamaram a nossa atenção, ainda na mão do garçom. São batatas chips, até aí tudo bem, se não fossem chips tipo salgadinho industrializado que você compra no mercado. Vem meio saco de Yokitos ou outra “batata” dessas lisas, assadas ou fritas. Bem estranho e bem meia boca… mas comi as minhas e as do segundo hambúrguer do Yuri que vocês vão ver aqui semana que vem.

Embora não seja dos maiores, sustentou até umas hora, jão! O que é bem bom para um hambúrguer de 90g e menos de 10 reais.

Ficha técnica:

Kaes Especial

Ingredientes:  “Pão especial, maionese, hambúrguer 90g, queijo, presunto, alface, tomate, cebola, bacon e barbecue.”

Preço: R$9,50 + Coca-Cola lata R$3,50 e R$2 de entrada. R$15,00

Ponto alto: Preço camarada, carne boa, sustenta…

Ponto baixo: Cobrar entrada, batatas chips de mercado, presunto.

Avaliação: C-

O Kaes Bar fica na Rua Doutor Manoel Pedro, 715, no Cabral. Funciona de segunda à quinta 18h-00h. Sexta e sábado 18h-02h. (41)3253-3997.

Anúncios
 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 04/05/2013 em Uncategorized

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Barba Hamburgueria – Henry Morgan

Apesar de levar “Hamburgueria” no nome, o lugar para mim é um bar. Como o Dom Corleone, é um bar que tem hambúrgueres. Porque se tem que dar nome na entrada para ser marcado numa ficha de consumação, é um bar, né?

Chegamos e já tinham algumas pessoas ocupando as poucas mesas no piso da entrada, rolou um pequeno e rápido empasse: ver se havia lugar pra gente, pois o segundo andar “não estava aberto”, e a mesa disponível era para mais pessoas, ou algo assim. Fato é que eu não ia ficar esperando a boa vontade de alguém desocupar uma mesa sendo que tinham outras livres. Mas como estava tocando RVIVR, uma banda que não esperava ouvir em nenhum lugar que fosse comer, relevei e fiquei de boa curtindo a música enquanto resolviam onde íamos poder sentar e logo estávamos com um andar todo só para nós.

O Barba Hamburgueria é lugar para os jovens descolados da cidade irem comer seus hambúrgueres e tomar suas cervejas. Não sou ligado nisso porque não consumo álcool, mas disseram que lá tem uma variedade boa de cervejas, aquele lance da moda das cervejas especiais ou gourmet, feitas com açúcar mascavo e sêmen de javali, maturadas em barril de cipó envelhecido, com um toque de alho poró que dão um sabor levemente adocicado ao fermentar, e ameniza o amargor característico dos barris de cipó… Então as cervejas acabam atraindo mais gente que, ao contrário de nós, vai só para beber e conversar, paquerar, encontrar os amigos, fazer aquela festa.
Se você, garotinha que gosta de um cara que pareça meio sujo, rabiscado, barba mal feita, mas que não seja classe C ou D, esse é o lugar para encontrar seu amor bandido. E para os caras que quiserem encontrar uma cocotinha moderna, de cachecol e com tatuagem de cupcake, roqueirinha, fotógrafa ou publicitária, é o lugar também.
Como me disseram, o público alvo do lugar é “gente tatuada” (vai querer ser segmentado assim na casa do chapéu), então se você for aparentemente normal, pode se sentir meio peixe fora d’água (han-han?! pirata, peixe fora d’água, piadista heim!). Mas não deixa de ser interessante, pelo contrário, diversidade é legal, galera!

Agora sobre o que realmente interessa. Escolhi o basicão, Henry Morgan, o antigo corsário galês e atual x-salada dos sete mares. Como me disseram vários dos professores de fotografia e jornalismo que tive, é no básico que temos que nos garantir para poder inventar moda, é o lance de saber e conhecer as regras para poder quebrá-las com propriedade, por isso fui no básico dos sanduíches.

Primeiro de tudo, detalhe para o garçom na hora de anotar o pedido, dizendo já de forma automatizada: “Ao ponto da casa, grelhado por fora e rosado por dentro?” Opa, quando ele disse isso, senti firmeza na parada!
Dito e feito, grelhado e bonito por fora, rosado por dentro.Mal passado mesmo. Esse ao ponto da casa, deve ser coisa de pirata, cabra macho que come carne crua, porque o centro do universo do meu hambúrguer ainda estava vivo.
Carne magra e sem gordura, o que explica o fato da carne estar realmente mal passada. Não estava escorrendo nada, não estava suculento, como eu tanto esperava que estivesse quando ele disse rosado por dentro, e como era de se esperar.
Me lembrou bastante a carne-de-onça dos botecos, carne moída crua e temperada, até o tempero é parecido, e bem bom por sinal, com direito a cebolinha, ou outra dessas coisinhas verdinhas. Dessas, só conheço bem a alface, que também tem no recheio. Alface ralada, não em folhas como normalmente é, (assim rende mais e gasta menos, tática do subway), acompanhado de umas duas rodelinhas discretas de tomate(ainda verde), mas como não me importo tanto assim com a salada, e mesmo ela tendo fator importante na hora de umedecer a parada, e nesse caso precisava, dá para deixar passar.
O Pão é fresco, macio, parece um cogumelo, não é daqueles que caem os gergelins, bacana, mas a companheira do pão deixou a desejar e fez falta: acho que rolou só uma passadela rala de maionese com as costas da colher, saca?! Aí o que estava um pouco seco (e me fez invejar o cream chesse do sanduíche do Yuri, próximo post, aguardem!) e seria facilmente suprido pela maionese, assim como no Mustang Sally, acabou ficando seco até o fim, já que não uso catchup ou mostarda por achar que mascara muito o sabor das coisas e também por não me apetecer mesmo. E já que estamos falando de molho, um potinho com um pouco de barbecue custa R$2,00! Acho meio sacanagem cobrar por isso, mas enfim.

Embora tenha demorado um pouquinho para ficar pronto, não deu tempo para deixar o queijo derreter direito, eu esperaria mais 30 segundos, derreteu a borda e o bucaneiro já mandou para mesa, se a foto estivesse minimamente decente, daria para perceber o queijo maomenos derretido.

Ao fundo uma parede legal com desenhos (que poderiam ter sido feitos por mim, com toda a minha falta de habilidade manual) com a temática e estética “tattoo old school” dos ladrões dos mares.

Acompanha batata frita. Palito ou chips, você escolhe. Escolhi a primeira, mas os palitos não faziam nem uma pequena montanha como é legal de se ver, poucas ficaram sobrepostas, vieram espalhadas no prato para parecer bastante (malandragem). Mas são sequinhas e crocantes, então ponto para o barbudo. Uma consideração sobre algo que reparei e pensei esses dias, elas não vieram com sal, que fica ao gosto do cliente, é o certo mesmo. Um dia peguei umas batatas no Bruguer King em que tinha que ficar batendo a batata para cair um pouco do cloreto de sódio. Acho que nós temos que escolher o quanto de sal e o quão perto queremos ficar de ter um stroke (como diria Dr. House). Não quero ter pressão alta e ficar como bem descrito pelo grande Rogério Skylab.

No geral achei um bom sanduíche, mas meio racionado. Não é um Pérola Negra, mas um belo hambúrguer e de bom tamanho, até achei que devia ter mais do que 160g como consta no cardápio, e mesmo um pouquinho cru no meio(coisa que não me atrapalha em nada, embora saiba de gente que iria chiar), é o ponto alto do hambúrguer que pode vir a ser mais que um barbudo com olho de vidro e perna de pau com moral para roubar a clientela da vizinhança.

Ficha técnica:

Henry Morgan

Ingredientes: 160 gramas de hambúrguer, alface, tomate e queijo prato. Acompanha batata frita ou batata chips.

Preço: R$14,00. É o preço médio, nem caro nem barato. Tem refrigerante garrafinha e lata, mas esqueci o preço, acabou rolando um pequeno acidente, aí, mesmo contra meus princípios, paguei uma cerveja, me perdi nas contas e ficou em pouco mais de R$26,00. Porra de cerveja cara!

Ponto alto: O ponto alto e o baixo estão bem próximos, é a aquele papo manjado da linha tênue do love-hate (como o povo gosta de tatuar nos dedos), a carne é boa, bem temperada, mas tem que estar no ponto mesmo. Batatas palito sequinhas e crocantes.

Ponto baixo:  O conjunto da obra estava meio seco, precisava de um molhinho ou um pouco mais de maionese mesmo. A carne um pouco crua no meio do hambúrguer e no geral poderia ser um pouquinho mais farto.

 Avaliação: C+

OBarba Hamburgueria fica na Avenida Vicente Machado, 578 – Centro.

 
7 Comentários

Publicado por em 05/10/2012 em Uncategorized

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,