RSS

Arquivo de etiquetas: jazz

Casa da Mãe Joana – Hambúrguer de Barreado

C360_2012-02-28-17-46-07

No ritmo preguiçoso de férias(mesmo não estando de férias) e de início de ano, estamos na atividade.
O bonde não para!

“Casa da Mãe Joana”, já começo achando o nome do lugar bem bom. Me lembra Mãe brigando com o filho porque a casa está uma zona. “Parece a casa da mãe Joana isso aqui!”
Se bem que essa Casa mesmo parece uma casa de vó, e bem arrumadinha.

O lugar tem um lance tipo aquela Casa di Bel que mais parece o Sítio do Pica Pau Amarelo, onde nada combina com nada, é muita coisa pendurada, é muita informação, você fica sem saber para onde olhar. Na Casa da Mãe Joana o negócio é mais simples, visualmente é mais limpo e agradável, tem várias coisas decorativas antigas que vão desde um refrigerador de alguma mercearia até mesinha e telefone de discar, bules de porcelana, quadrinhos gringos que os Caçadores de Relíquias do History Channel adoram, latas e várias outras coisas. Tem uma área externa com umas mesas, chão de pedrinhas brancas e redes para quem sabe tirar um cochilo, tipo baiano.
O lugar tem um ar de carimbóGaribaldis e Sacis, bicho grilo da reitoria, só que mais arrumadinhos e que felizmente essa referência não se manifesta na trilha sonora, que foi do Jazz ao Rock e nada de MPB lésbica da nova geração.

Agora falando da comida, quem acompanha o blog ou leu alguns posts já deve ter percebido que meu negócio é testar o tradicional de cada lugar, e nas poucas vezes que me aventurei, deu merda, parceiro! Veja aqui um exemplo.
Mas hoje depois de muito pensar e olhar para o cardápio diversas vezes, aceitei o desafio do Yuri e arrisquei encarar uma coisa nova que tem tudo para dar errado, um X-Barreado.

Sim, um hambúrguer de Barreado. Para quem não é do Paraná, (momento wikipedia), o Barreado é um prato tradicional do estado, mais precisamente do litoral. A turistada adora ir para Morretes e Antonina comer essa parada. Basicamente é carne de boi desfiada que fica cozinhando por umas 12h numa panela de barro lacrada com uma massa feita de trigo, e servido com farinha e banana.
Com doze horas de cozimento (hoje deve ser feito na panela de pressão com muito menos horas) já da para imaginar como as fibras musculares ficam completamente relaxadas, a carne fica muito molinha e desmanchando, o negócio vira quase uma “sopa de carne”.

Eis que os filhos da mãe Joana resolvem remontar esse prato num sanduíche. E o pior é que fica interessantemente bom!

_MG_0006

Detalhe para a bela apresentação do prato. Sanduíche, salada, molhinho de maionese e banana chips.

O pão é um pão d’água coberto com um pouco de fubá, particularmente gosto bastante de pão assim, bem molinho e sem casquinha crocante quebrando. Há que quem ache ruim e diga que é tipo pão amanhecido e, por isso poderia ser arriscado usar num hambúrguer de quase vinte reais.
Mas um cara que faz um sanduíche que tem banana com bacon e carne não está com medo de arriscar.

Sim, bacon e banana que incrivelmente combinam. A banana fica predominante na maior parte do tempo, e nas duas ultimas mordidas já estava começando a ficar enjoativo, mas em alguns momentos você sente bem o bacon, e às vezes a mistura dos dois, é interessante e longe de ser ruim.
São duas tiras classudas de um bacon muito bonito e com pouca gordura, até abri o sanduba para conferir e gostei bastante do que vi lá dentro. Também duas fatias de banana grelhada por cima do queijo, que, diga-se de passagem, é apresentado numa quantidade legal de muçarela (com ç mesmo, como no cardápio) com direito ao efeito estica e puxa,essa é a festa da Xuxa.

Assim como a banana, o hambúrguer também tinha suas belas marcas de grelha. Feito com a carne do barreado, não sei direito, mas pelo que me pareceu a carne desfiada foi processada(batida) para poder dar a liga necessária para moldar o hambúrguer.
Fica uma textura diferente, mais macia e sem a “granulação” da carne moída tradicional, quase não tem resistência ao morder e o pedaço se desmancha ao mastigar.
E como a carne já foi cozida não tem isso de mal passado ou no ponto sangrando, nem seca nem molhadinha, esse é o ponto que fica.

Tudo isso junto e logo na primeira mordida me surpreendo com uma das coisas mais macias que já mordi (incluindo pessoas), é tipo comida para velho banguela, bem legal.

Acompanha também uma porção de salada considerável, muito maior do que viria dentro de qualquer hambúrguer. Dois tipos de folhas (alface crespa e alface frisé), cenoura ralada, e um tomatinho cereja cortado ao meio. Além de um potinho com a maionese local, que nem usei muito mas é mais líquida que a normal e com um gostinho de alho e(ou) cebola.

No cardápio dizia batatas rústicas, mas veio uma surpresa na vibe do passeio na feirinha de Morretes no final de semana.  Bananas chips, banana frita como se fosse batata. Fica meio seca, parece uma madeirinha, é legal por ser diferente, mas eu prefiro batata, ainda mais se forem rústicas.

“A Casa”
 fica na Jerônimo Durski, esse nome que já lembra o que? Madero, né, seus bois de presépio.
Curitibano tem mania de fazer sempre as mesmas coisas, frequentar sempre os mesmos lugares…  Acho que vale uma boicotada no Madero e passar na Casa da Mãe Joana para experimentar um hambúrguer diferente, bem diferente, e bom, na mesma faixa de preço do Madeireiro.

Ficha técnica:

Hambúrguer de Barreado

Ingredientes: “Hambúrguer caseiro de barreado grelhado com fatias de bacon, coberto com queijo muçarela derretido, rodelas de cebola e banana assadas em forno a lenha. Acompanha mini salada, batatas rústicas fritas e maionese especial”.

Preço: R$18,00 + 1 Itubaina (que troço doce!)  + 1 coca-cola lata = R$27,50 (caro para um lanche mas vale por uma refeição).

Ponto alto: Apresentação, bons ingredientes, inovação, e o gosto, claro.  

Ponto baixo: Preço.

Avaliação: A

A Casa da Mãe Joana fica na rua Jerônimo Durski, 1010, no Bigorrilho. Terça à Sexta: 18:30 – 00:00, Sábado e Domingo 12:00 – 16:00   –  (41)3092-2322

 
4 Comentários

Publicado por em 01/18/2013 em Uncategorized

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Brooklyn Coffee Shop – Bacon Burger

Brooklyn Coffee Shop

“Nós estamos aqui para revolucionar a música popular brasileira, pintar de negro a asa branca, atrasar o trem das onze, pisar sobre as flores de Geraldo Vandré e fazer da Amélia uma mulher qualquer.” (Clemente, banda Inocentes)

Queria começar o texto com uma citação vagabunda dessas de cartão de Natal, essas coisas genéricas e impessoais de quem não sabe o que escrever porque não sabe sentir. Mas lembrei dessa frase foda do Clemente, e é nessa vibe que a vida e esse blog seguem.

Final de ano, hora de prestar contas, pagar as dívidas com o acaso e cumprir as promessas antes do suspiro final. Então aqui estou eu pagando com um post que sei lá porque cargas d’água estava faltando. Taí, Brooklyn Coffee Shop.

O Brooklyn tem aquele visual legal com teto alto, meio galpão, tipo aqueles locais industriais que transformaram em apartamentos bem legais em NY. Tipo aquele que o Tom Hanks mora quando ele cresce em Quero Ser Grande. Só não tem aquelas janelas laterais, nesse Brooklyn a iluminação é meio fraca mas tem algumas luzes pontuais em algumas mesas, tem uma baita foto da Ponte do Brooklyn (supõe a lógica) em uma das paredes, e nesse dia estava rolando um jazz chatinho e repetitivo. (intelectuais entendedores de música não me critiquem, jazz é chato às vezes, vivam com isso).

Tem uma coisa que me incomoda lá no Brooklin. Já fui algumas vezes e sempre achei isso, o povo que vai lá é uma galera muito blasé. Te olham e viram a cara empinando o nariz e fingindo que não estavam te olhando, acho isso bem engraçado. E depois eu que sou estranho.
Fora a galerinha frequentadora que está chegando
na casa dos 30 e não fica mais bebendo cerveja sentado nas calçadas das redondezas, gente que formou em design, jornalismo,(iria falar publicidade também, mas publicidade não considero muito como curso superior)… esses cursos em que você não precisa estudar muito. Agora essas pessoas estão ganhando seus dinheiros e vão lá gastar na cerveja dos Simpsons, cafés, comidinhas, e como nós, hambúrgueres.
Dia de semana é até comum achar algum macfag
“trabalhando” com seu Macbook  (nunca um notebook Positivo!) e achando que está realmente num café de Nova Iorque.

Agora sim, o que realmente interessa, comida!

_MG_0006

Começando pelo Bacon que é quem da o nome do sanduíche e deveria dar a tônica da parada é o que menos foi percebido. Cortadinho em pedaços fininhos e pequenos, foi bem feito, não passou e não ficou seco, mas foi pouca quantidade. Como todo bacon bem feito estava muito gostoso, mas só foi realmente notado quando já estava na metade do sanduíche, e sentir mesmo o gosto foi em umas duas ou três mordidas, uma pena, porque não é o que se espera de um “x-bacon”.

Mas a carne estava muito boa, rosadinha e molhadinha assim como outra coisa eu que adoro.
Por fora nas bordas estava com uma cor estranha, até um pouco feia, meio esbranquiçada, de carne que só levou um susto no fogo, mas mais para o meio estava até torradinha, não sei como faz esse efeito de “cozer” na chapa, do meio para as bordas. Mas isso não importa. O que importa é que estava muito boa. Hambúrguer de picanha, gordura, já da para sacar que a coisa vai ser boa se for bem feita, e fui altamente correspondido nesse quesito.

Dessa vez não vou reclamar do queijo e dizer que poderia vir mais, gostei da quantidade. Olha que bonita essa camada derretida cobrindo a carne.
Mas rolou uma parada. No cardápio não dizia que vinha “mozarella”, falava apenas no gorgonzola, não curto muito gorgonzola, mas para minha sorte acho que estava acabando o gorgonzola, ou sei lá o que rolou, veio só um pouco na parte de baixo do pão, aí em cima do hambúrguer uma agradável camada de um bom queijo mozarella que logo se transformou em um sorriso.

O pão é igual aquele que usam no Barba e no Motodax. Não é o meu preferido, é escuro em cima, tipo pão que passam ovo antes de assar e colam um monte de gergelim. Rolou aquele efeito decomposição post mortem por causa do sangue da carne morta. Tive que terminar de comer com os talheres porque o sanduíche se despedaçou em minhas mãos.

Tem uma saladinha de leve, um pouco de alface ralada para dar uma crocância e uma umedecida, além de ajudar a digerir. Não é salada, mas também vem uma pitada de algum matinho sem gosto desidratado como parte da decoração.

Acompanha uma porção de batata chips. Às vezes é legal variar um pouco, e batata chips é batata de verdade, afinal. Pena que algumas estavam começando a ficar amargas, tipo passando do ponto, mas ainda assim estavam boas. Foi bom variar as batatas no último sanduba do ano.

Resumindo, é um belo hambúrguer de um bom lugar blasé!  😛

Ah!! Semana passada, pra quem não ficou sabendo, participamos de um programa na Ótv. Depois colocamos aí para quem quiser saber a nossa cara e nos perseguir na rua ou nos pagar um lanche.

Ficha técnica:

“Bacon Burger + Fries”

Ingredientes: “Hamburger de Picanha, com Gorgonzola & Bacon Bits c/ fritas”

Preço: R$18,00 (não lembro quanto deu com a coca-cola de garrafinha).

Ponto alto: Carne bem boa e no ponto e a quantidade de queijo.

Ponto baixo: Pouco bacon.

Avaliação: B-

O Brooklyn Coffee Shop fica na Rua Trajano Reis, 389, no São Francisco. Curitiba-PR. (41) 3618-0388

 
2 Comentários

Publicado por em 12/27/2012 em Uncategorized

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,