RSS

Arquivo de etiquetas: Nachos

Gold Skull – Hell Bells

424631_372151936239378_1753047569_n-505x507

Post 68, ano 3. É Good Burger no ar filha da puta, pá pá pá!
E assim começa mais um ano de hambúrgueres e sofisticação nesse nosso espaço de requinte gourmet na internet. Sem esquecer aquele toque pessoal de educação oriunda de pais ausentes e ensino médio em escola pública que dá todo um charme.

Comecei com Rap, mas o post é do ROCK! Quem inaugura o terceiro ano de blog é o Hell Bells do Gold Skull.

O lugar tem o slogan, “O hamburguer mais rock and roll de Curitiba”, seja lá o que isso queira dizer. Acho que pode ser meio ruim porque o rock é uma parada meio tosca. Sempre digo que a galera do rock é a melhor galera, especialmente a do metal, são os moleques exagerados nos braceletes, engraçados, feios e cabaços. Me identifico.

Por fora o lugar parece um Subway: tem janela grande e é de tijolinhos claros. Só que tem o desenho da caveira pra mostrar que não é um Subway, ou que pelo menos é um Subway ocupado por roqueiros.
Entramos e já estava tocando um metalzão, depois emendaram várias do Iron Maiden. Nas mesas tem caveiras de gesso pintadas de dourado, claro, com números para marcar as mesas. Na televisão estava passando aquele Drácula de Bram Stoker, numa qualidade bem boa, devia ser blu-ray (reparo nessas cosias).
Como não simpatizar com um lugar assim?

Usando como medida de tempo a música Rime Of The Ancient Mariner, da pra dizer que o hambúrguer levou quase 20 minutos para ficar pronto, porque tocou essa musica, que tem uns 13min. e mais uma ou duas também do Iron. Um pouco demorado.

_MG_0002_

O prato tem uma apresentação simples, mas eficiente. Vem salpicado com uma infinidade de pedacinhos picados de cebolinha, dois potinhos com molho, maionese temperada e ketchup, mais três lascas de batatas rústicas.

Os nomes dos hambúrgueres são legais, tem o Paranoid, o  Hell Bells, o Seek & Destroy, até o War Pigs (que vai ser o post da semana que vem). Pra quem não se ligou, clique nos nomes e saberão a origem das escolhas. É o Good Burger hiperlink, web3.0 e o caralho a quatro facilitando sua vida.

No cardápio constava só hambúrguer e cheddar.
Pasmem vocês, tá, vocês não iriam pasmar porque são mais espertos que eu, mas eu fiquei surpreso ao ver a quantidade de cebola, que no cardápio não dizia acompanhar mas eu devia ter me ligado que quando tem cheddar a cebola é meio implícita. “Porra!  …vinte anos de curso, porra!”
Mas lá estava a dupla, pra mim não muito dinâmica, Cheddar & Cebola Caramelizada. Vocês achando que eu tinha me fodido por causa da cebola doce que já reclamei aqui outras vezes. Digo-vos que nem me fodi, elas não estavam doces, arrá! E parte da salvação do sanduba vem das cebolas, elas, com uma mãozinha da alface e da maionese.

A carne é de bom tamanho, parece de boa qualidade e tal, mas achei salgada, talvez por eu estar comendo cada vez menos sal. Mas até aí beleza, o negócio é pra ser salgado mesmo, o problema é que passou do ponto e estava rija. Bem passada, escurona mesmo, e dura. Aí não rola, aí foi que o barraco desabou, nessa que o meu barco se perdeu … opa, vou apanhar dos roqueiros, mas ainda assim, foi nessa que a nota caiu.
A carne sem os sucos só não ficou tão problemática por causa dos molhos da cebola, da maionese, e até do cheddar que salvaram a pátria das caveiras douradas.

Caveiras douradas é uma parada meio Glam, né!?

Tem um alface ralado disfarçado, você não o vê, mas ele está lá. Sua mãe iria gostar, você come salada e nem percebe, aliás, comer salada sem ver e sem sentir não é o ideal pra vida?

O pão é um pão estrela que estava muito macio.  Pão estrela é um pão do tipo francês mas com uns gomos, que às vezes em sanduíches vira um problema porque os gomos vão se desprendendo e aí desmonta tudo.
Esse não desmontou, talvez pelo pão não estar tão sequinho e quebradiço, não tão fresquinho, mas estava do jeito que gosto e mesmo com os molhos e saladas (cebola conta como salada?), segurou bem.

Outro ponto negativo é que tinha bem pouco cheddar, cheddar em pasta, daquele laranja clarinho que vocês compram pra fazer nachos na casa dos amigos. Mas só deu pra perceber o pouco do queijo processado que ficou meio por acaso nas bordas do pão. No cardápio falava só carne e cheddar, era de se esperar bastante, pelo menos eu fiquei esperando.

Acompanha uns três pedaços grandes de batata rústica, ou seja, batata cortada em lascas grandes, gordas, fritas e com um suave tempero que não consegui identificar. No potinho com maionese que vem junto do lanche também tem um tempero, bem provável que seja o mesmo tempero que não identifiquei no tubérculo.
A batata com essa maionese ficou muito bom, até queria um pedaço de gordice… mas não tinha, já era game over para o sino do inferno que retumbava no meu estômago.

Semana que vem tem mais, amiguinhos.
Cause Im back! Im back in black!

Ficha técnica:

Hell Bells

Ingredientes: “Hamburguer de carne com cheddar – Todos os pratos vem acompanhados com batatas rústicas e molhos especiais.”

Preço: R$14,00 mais uma água Timbu 500ml, R$2,50 (porque agora sou mais ou menos saudável).  ficou R$16,50.

Ponto alto: O lugar/trilha sonora, apresentação, sustância, preço e a batata com maionese.

Ponto baixo: Carne rija e bem passada, bem pouco cheddar, não avisar no cardápio sobre as cebolas.

Avaliação: B-

O Gold Skull fica na Rua Augusto Stellfeld, 332, esquina com a Alameda Cabral, no centro. Não achei a informação dos dias que funciona e nem telefone, só achei que abre as 15h.

 
2 Comentários

Publicado por em 02/21/2014 em Uncategorized

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Square Burger – Chuck B., Elvis e Ritchie V.

main_145

Um frio de 7°C, ventando, numa quinta-feira à noite. Não dá vontade de sair de casa nem para comer, mas nós fomos, e fomos porque temos um compromisso com isso aqui.
Estivemos num lugar que tem delivery, então na próxima noite fria vou pedir e comer no sofá de casa sem precisar tirar o pijama. Por falar em pijama, quando chegamos tinha uma família, com uma menininha de uns 9 anos usando um pijama rosa choque, esperando para levar o lanche. Gosto de ver que existem pais legais que deixam as crianças serem crianças.

O Square Burger que fomos é uma local pequeno, no Rebouças. Acho que consegue ser menor que o Rock’a Burger. São só três mesas de madeira entre paredes vermelhas com discos de vinil alinhados decorando o ambiente.  Os nomes dos hambúrgueres são nomes de astros cinema e do rock, o (bom) som ambiente também é dos velhos do rock.
O barato do Square é que são mini sanduíches, a menina do caixa disse que três equivalem ao tamanho de um normal. Eles são servidos embalados em papel alumínio e dentro de numa caixa, com as batatas-fritas, mesmo sendo para comer ali na hora.
O grande diferencial é a carne que não é redonda como um disquinho, é SquareBurguer, sacaram? O hambúrguer é quadrangular.

Quando vi pela primeira vez um hambúrguer quadrado, lá em Moscou, pensei: “Orra, esses russos são foda, fizeram um hambúrguer quadrado só para ser diferente dos americanos”, mas depois descobri que a lanchonete era uma Wendy’s, uma rede norte americana, e perdeu um pouco a graça.
Mas também pensei: “Como ninguém fez isso antes?” Agora parece tão óbvio tentar essa mudança geométrica.  Mas espero que ninguém queira inventar moda e fazer em forma de estrela ou outra merda do tipo.

Tentando ser objetivo, vamos à brincadeira.

_MG_0062

O pão é o mesmo em todos. Pão de leite sem gergelim, muito macio, fresco e levemente tostado nas partes internas. Daquele que se desmancha ao morder.

O velho Chuck B. (de Chuck Berry) é o mais simples, peguei justamente por isso. Porque se o negócio mais básico é interessante, o resto só vem a acrescentar.
O diferencial dele é a maionese, que é bem boa e vem numa quantidade suficiente para ser notada.  É aquela maionese com uns verdes, que sempre vai me lembrar a do Mister Dog, a melhor maionese verde de todas as galáxias das araucárias.
O queijo, faz um tempo que não digo isso, poderia ter um pouco mais. Não é porque é um sanduichinho, que tem que vir só um queijinho.

O Elvis é um Chuck Berry turbinado com bacon em cubinhos. Talvez isso explique um pouco o Elvis ter morrido gordo e decadente e o Chuck Berry esteja fazendo shows até hoje, mesmo velho decrépito.
Já da para imaginar como é, bacon e sua gordurinha

O Ritchie V. (Eu não sabia quem era, procurei agora e descobri que Ritchie Valens era o cara do “La Bamba”) tem um lance chicano,  vem dois Doritos, cheddar e a carne quadrada. É tipo um Nachos, mas não lembra muito nachos, mesmo com o Doritos que da crocância e um temperinho. Diz que tem pimenta, mas não senti. Eu colocaria mais pimenta, um barbecue derramando e chamaria de Machete!

_MG_0070

Além do pão, uma coisa que vai ser igual em todos, é a carne, e devia ser um hamburguinho quadrado mais gordinho ou mesmo colocar dois juntos….quiçá um “quadradinho de oito“(risos).
O hambúrguer é muito fininho, não da para morder e sentir realmente a carne, mas deu para perceber que era bem temperada e também bem passada, com essa espessura nem tem como não ser passada, colocou na chapa e virou, já era.

As batatas fritas (por mais 3 reais) vem numa quantidade boa.
Porque metade de mim é sanduíche e a outra metade é batata frita”, disse a caixa do Square Burger.
As batatas estavam um pouco moles, me lembrou as que minha mãe faz, sempre ficam molengas, me agrada, mas poderia fritar mais para deixar mais crocante por fora. Fazer aquele lance de fritar uma vez, tirar e colocar num óleo mais quente para dar mais uma fritada, mais ou menos isso. Manjo mais de comer, semana que vem o Yuri explica no post dele, voltem aí conferir.

Uma coisa legal que descobri dos caras, se o McDonald’s tem a boa ação (de marketing) do McDia Feliz, o Square também tem, no dia 18 de setembro rolou o dia de doar uma porcentagem para ajudar o Hospital Pequeno Príncipe.
Como diriam os cartazes de shows de hard core do início dos anos 2000. “Prestigie a cena local”.
É tipo aquele lance que circulou no Facebook, pra que doar para o Criança Esperança, que já é uma parada gigante e milionária, se você pode doar para uma APAE ou o Pequeno Cotolengo, que é um lugar muito mais próximo da gente?!  #DicaGoodBurger

No geral foi uma experiência diferente, vem tudo numa caixa, os sanduíches embrulhados, tem um lance meio infantil, é divertido. Além de termos sido atendidos por uma menina bonita e sorridente.

Acho que nunca tinha escrito tantos diminutivos em um textinho só.

Ficha técnica:

Chuck B., Elvis e Ritchie V.

Ingredientes: “Chuck B. Pequeno hambúrguer quadrado, com pão, queijo e maionese especial. – Elvis; Pequeno hambúrguer quadrado, com pão, queijo, cubos de bacon crocantes e maionese especial. – Ritchie V. Pequeno hambúrguer quadrado, com pão, queijo cheddar, molho de pimenta e nachos.”

Preço: R$16,90 os três sanduíches e meia porção de batata frita + Coca-Cola de 600ml R$4,00(dividimos o refrigerante, mas o Yuri que pagou).

Ponto alto: Escolher diferentes “sabores” no combo e vir na caixa embrulhadinho é legal.

Ponto baixo: É pouco recheio, carne muito fininha.

Avaliação: C

O Square Burger fica na Rua Lamenha Lins, 1550, no Rebouças, meio perto da Arena da Baixada. Não achei o horário e dias de funcionamento, então liguem lá. Tem delivery, (41)3032-3773 ou 3032-2727, no Alto da Glória.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 09/27/2013 em Uncategorized

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Batha Bhaya – Tex Mex

7065585425_31709ea2f4

Dia desses eu estava lendo o Daytripper, um quadrinho dos irmãos Fábio Moon e Gabriel Bá, e num dado momento o narrador diz:

“…uma hora você descobre que seu lar é muito mais do que a casa onde você mora… Ele (Brás, o personagem) descobriu que o país pode ser o seu lar, ou uma cidade, ou mesmo aquele bairro em particular”.
Como se as ruas ao redor da casa da gente, por onde passamos todos os dias, às vezes por muitos anos como é o meu caso, acabassem parecendo prolongamentos de nossas casas. É a nossa quebrada familiar.
Ultimamente tenho ouvido sobre vários casos de violência aqui na minha região, são baleados, assaltos, atropelamentos, e ainda assim continuo andado com relativa tranquilidade pelas ruas da minha casa.

Tudo isso para dizer que saímos das nossas cercanias e fomos rumo ao desconhecido na nossa busca pelos melhores (e às vezes piores) hambúrgueres da cidade, desembarcamos nas longínquas terras da CIC, a Cidade Industrial de Curitiba. Longe pacas!

Batha Bhaya, é o nome do lugar.
“É um lugar indiano?” Se tem algo de indiano é a penas no nome, porque servem carne de vaca morta, algo nada bem visto por aquelas bandas.

O Batha é um lugar “multicultural” meio feira da fruta, decorado com vários posters 3D do Street Fighter, Os Simpsons, Iron Man e coisas do gênero internet, cinema, desenhos… Fiquei sabendo que também rolam shows acústicos de pop rock, sertanejo e de mágica. Sim, mágica. Tem até umas cartas de baralho utilizadas em algum truque que acabaram coladas no teto.
Durante todo o tempo que estivemos lá estava rolando um Hip-Hop americano anos 80-90 e bicicross nas montanhas passando na tv.
Sentamos na mesa de MDF cor de madeira, bancos com almofada vermelha e acima de nós uma luminária do Space Invaders.

Dessa vez não tinha como ficar no clássico X-salada, os caras tem um cardápio de hambúrgueres bem interessante. Queria ter experimentado uns três pelo menos, mas escolhi apenas o “Tex Mex”.

_MG_0005

Baseado no que chamamos aqui de “Nachos”, o prato com carne moída, feijão, molho, queijo, guacamole(aquela parada de abacate) e tortillas (Doritos em 90% dos lugares), esse Tex Mex em alguns momentos realmente lembra os nachos, e é tipo aquele lance de cozinha molecular(numa proporção muito menor) em que os caras mudam a textura, consistência e forma das cosias. É meio que o prato em forma de sanduíche.

Logo de cara a gente já percebe o pão preto (tá, não é preto é marrom, mas vou chamar de preto). O pão não é doce como o que tem de cortesia no Outback e nem salgado, é tipo uma base neutra bem macia, pequena e brilhosa por cima.

Logo abaixo da cúpula do pão preto vem uma camada daquele negócio de abacate, que já adianto que é o ponto negativo do sanduba, ia pedir sem, mas quando vi que dizia ter um hambúrguer apimentado, achei que isso ajudaria a amenizar a pimenta. Mas a real é que estava amarga a guacamole, no me gusta. Felizmente vem em pouca quantidade.

Na sequência vem os doritos e aí começa a ficar interessante, o tempero característico do salgadinho já começa a dar o gosto do nachos que a gente faz em casa (não que eu faça), e a crocância misturada com a maciez do pão é algo bem legal.
Uma madrugada dessas tentei fazer um pão com margarina e doritos, ficou uma porcaria, quase vomitei depois de comer, nem tentem.
Mas rola fazer um pão já amanhecido com pouca margarina e uns poucos amendoins daqueles com casquinha amarela, ou verde, ou o apimentado vermelho(só testei com o amarelo), fica bem bom e é tipo uma surpresa a hora que você mastiga um pedaço do pão mole com um amendoim. #FicaDica

Votando ao TexMex, tem cheddar processado para colar os doritos na carne, dar liga e também um pouco de suavidade.  Mas nem precisava de nada para suavizar, a carne que dizia ter pimenta calabresa, embora seja muito boa, tem seu tempero mas não é nada picante. E já falei aqui outras vezes que sou uma moça para pimentas.
A carne está quase se mimetizando com o pão. Pão e carne tem praticamente a mesma cor, mas apenas por fora, por dentro ainda se mantinha a ruborização desejada para um “no ponto”.  São 150g(segundo eles) de um bom hambúrguer artesanal.
Os sucos da carne e o abacate fazem os doritos, crocantes nas primeiras mordidas, ficarem molengas. A sorte (que na verdade é azar) é que o sanduíche é pequeno, você acaba comendo antes disso acontecer totalmente. Aí entra o segundo ponto negativo, é um hambúrguer pequeno, da para segurar ele todo com uma mão só. Fator sustância em baixa.

Isso tudo acompanhado de batatas chips tipo Ruflles, outra vez batatas industrializadas, não vejo um acompanhamento mais sem graça do que batatas industrializadas de saquinho. Esperamos que essa não seja uma tendência das hamburguerias, lanchonetes e afins.
Orra, galera, se deem ao trabalho de fritar umas batatas de verdade!
Mas admito que essas batatas até caíram bem com a maionese da casa que vem num potinho. Maionese com ervinhas que deixam um gosto final de orégano. Boa.

No cardápio tem até uma explicação do processo de feitura e montagem do hambúrguer, e de quanto tempo demora, pelo menos uns 20 minutos segundo eles. Fato é que demora mesmo! Tem que ter paciência, coisa que é difícil quando se está com fome.

Dicas:
Para achar o Batha você precisa olhar para cima, pois na parte de baixo do lugar tinha uma molecada na frente, parecia uma escola, na real é uma autoescola.  Você entra na porta lateral e sobe a escada. Parece que você está entrando num lugar meio nas bocadas, meio escondido, mas é tranquilo!

Faça o chek-in no Foursquare ou Facebook e ganhe um refri, mas só na primeira vez. Tipo piá malandro com uma gatinha nova, agrados só no começo, fiquem espertas garotas.

Para aquele seu amigo chato, ops!, vegetariano, o hambúrguer de carne pode ser trocado por de soja.

Agora me despeço, amiguinhos.
Semana que vem tem o Yuri e o seu Heart Attack, depois disso vamos sair de férias.
\o/

Ficha técnica:

Tex Mex

Ingredientes: “Hamburger com Pimenta Calabresa, Cheddar em Pasta, Nachos com Guacamole (Abacate + Temperos)”

Preço: R$15,90 + Coca-Cola lata R$3,00 (faça o chek-in e não pague a coca).

Ponto alto:  Toda a concepção de um sanduíche diferente, o pão preto é legal e a carne é boa também.

Ponto baixo: Demora, a guacamole estava amarga, é pequeno e a batata que acompanha é industrializada.

Avaliação: B-

O Batha Bhaya fica na Rua Pedro Gusso, 4017, no (ou na) CIC. Perto do terminal de ônibus. Funciona de terça à quinta das 18:00 às 00:00, sexta e sábado das 18:00 às 02:00 e domingo das 18:00 às 00:00. (41) 3042-0273(delivery, para quem morar por perto,né!?).

 
1 Comentário

Publicado por em 04/26/2013 em Uncategorized

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,