RSS

Arquivo de etiquetas: provolone

Bravus Burger e Grill – Caesar Burger

Bravus

Mimetismo. O conceito, aqui emprestado da biologia, serve a animais que, por causa de sua aparência, conseguem se camuflar em certos ambientes ou passar por outros seres vivos, imitando assim uma outra forma de vida. O Caesar Burger, do Bravus Burger e Grill, simpático e pequeno estabelecimento no coração do batel, que, como qualquer outro, se vale dos clichês da arte pop cinquentista para sua modesta decoração, talvez seja o primeiro caso de mimetismo gastronômico da história deste blog.

Veja, não é que o hambúrguer em si esteja mimetizando outra comida, mas o lanche é batizado a partir da clássica fórmula de salada verde com carne (geralmente frango), queijo e molho característico a base de mostarda, parmesão e suco de limão. Então, de certa maneira, a intenção do chef foi fazer um hambúrguer com gosto de salada. E deixo para vocês adivinharem as razões para tão tresloucada e despropositada invenção. Uma salada com gosto de hambúrguer sim, seria a invenção do século, mas o contrário? Por quê? Pra quê? A quem interessa um hambúrguer com gosto de salada?

Enquanto vocês pensam nessas questões, aqui vai uma foto da criança.

Bravus Burger e Grill

A receita para esse hambúrguer é: Pão, hambúrguer, alface americana, molho caesar, parmesão e cheddar. Nem preciso dizer que debaixo do queijo cheddar — essa fatia de queijo processado, que, para ser bem sincero, não tem muito gosto de cheddar —, o parmesão desaparece por completo, misturado no molho e em meio a todo o sal da coisa.

O pão é bem macio e cheio de gergelim, e é levemente tostado, o que dá aquele balanço entre uma crosta crocante e um interior tenro, então é um ponto alto e relativamente falando, é meio caminho andado para um bom sanduíche. Pena que é só meio caminho andado, porque a outra metade do caminho ficou mesmo pela metade. A carne do hambúrguer é o maior mistério pra mim: ela é extremamente bem executada, mas muito mal temperada. O resultado é curioso: um puta hambúrguer suculento com gosto de absolutamente nada. Bom, ele passou um pouco do ponto também, isso deve ter ajudado. Inteiro da mesma cor, parece uma carne do Madero, mas só parece.

Agora vamos dar uma atenção especial à salada. Sim, porque a salada deve ser o principal nesse sanduíche, então dai a Caesar Burger o que é de Caesar Burger. Devo repetir aqui minha opinião de que o Caesar Burger é uma invenção muito pouco saliente para se constar num cardápio de hambúrgueres Premium, mas já que está aqui e que a ideia é fazer um hambúrguer com gosto de salada, acrescento que é bem impressionante o fato da ausência de um tomate deixar o lanche com um vazio de texturas até então impensável para mim. Mas é verdade. A falta de um tomate no alface ajudou a eximir o hambúrguer de sabores, quem diria. A alface é boa, como a próxima alface do próximo hambúrguer que eu vou comer, mas sério, quem se importa? É como se eu fizesse um sanduíche chamado Gergelim Burger, em que eu cobrisse o hambúrguer e o pão de gergelim e fizesse você prestar atenção numa parada que sempre esteve lá.

Mas Nego Dito, vocês diriam, o Caesar do nome se refere ao molho Caesar. Eu sei, amiguinho, e é disso que eu vou falar. Como posso colocar isso? Um molho para salada no hambúrguer simplesmente não combina. Caso encerrado.

Ah sim, por último, uma leve ilusão. O Caesar Burger é o único da página do cardápio ilustrado, e na foto podemos vê-lo rodeado por lindas batatinhas fritas. O problema é que essas batatas não vêm no sanduíche, e você precisa pagar mais 5 reais para ter um adicional, segundo a pequena lista de adicionais da carta. Aliás, essa lista é de uma incoerência matemática que eu imagino que se tem alguém com tutano que frequenta esse lugar, deve aproveitar bastante. Pegue, por exemplo, um cheese burger básico, que custa R$8,50. Pão, queijo e mussarela. Agora pegue um adicional de ovo (R$1) e um adicional de bacon (R$2). Total: R$11,50. Um real mais barato que o Egg Bacon Burger do cardápio, que vem com tudo isso e mais presunto – um ingrediente desprezível por qualquer um que goste de hambúrguer bem feito, mas altamente apreciável no x-burger de R$3 que você compra na padaria da sua casa com uma carninha mirrada. Que tal transformá-lo então em um Especial Cheese Burger, esse que o Murilo resenhou na semana passada? Basta um adicional de cheddar (R$2) e um de provolone (R$2) e voilà! A mesmíssima receita do cardápio acaba de ficar um real mais barata! Ao mesmo tempo, o Egg Burger custa a mesma coisa do Egg Bacon Burger, que tem um ingrediente a mais, e por aí vai. Olha, parabéns pra quem fez esse cardápio por dar ao homem comum, urbanoide proletário abatido, a oportunidade de se sentir um pouco malandro em ludibriar o estabelecimento com esses preços manipuláveis. É uma boa ação que o Bravus Burger e Grill faz por você.

Ficha técnica:

Caesar Burger

Ingredientes: “Pão, hamburger, alface americana, molho caesar, queijo parmesão e cheddar”.

Preço: R$15,50 + R$3,50 coca-cola em lata. Total: 20,90 (10% incluso).

Ponto alto:  Pão bom e carne bem executada.

Ponto baixo: Carne mal temperada, receita incipiente, preço e o fato de não vir com batatas.

Avaliação: D-

O Bravus Burger Grill que fomos fica na Av. Batel, 1.700, na frente de um tal Boteco Santi. Seg. – Sáb. 11:00 – 00:00 e Domingo das 17:00 – 00:00. Tem delivery, (41) 3010-2525.

Anúncios
 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 08/16/2013 em Uncategorized

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Bravus Burger e Grill – Especial Chesse Burger

Bravus_logo

Alô, povão, agora é sério!

A mídia ninja do jornalismo gastronômico dos pinheirais está de volta! Voltamos a falar dos hambúrgueres de Curitoba, a cidade da qual a gente vive reclamando, mas gosta.
Nada mais curitibano que retomarmos nossa empreitada pela Av. Batel. Lugar de badalação, gente bonita, riqueza e glamour (bom, talvez em outros tempos).

Por conta de uma sugestão (valeu, Barbara!), fomos conhecer um lugar novo, o Bravus Burger Grill, na Av. Batel, entre a parte residencial e onde começam as baldas. Ali, um pouco antes de chegar no fervo onde é um saco passar de carro (e a pé, de bicicleta, de skate e de patinete também). Fomos numa terça-feira e o transito estava tranquilo. Não entendi direito se eles tem estacionamento ou se são duas vagas, mas o motoboy tirou a moto e pude estacionar o burguer móvel na frente do lugar. Jóia! (+ 3 de camaradagem).
O lugar não é cheio de frescura como se espera dos lugares da região, é meio na linha do Memphis: simples, mas bonito.
Bem iluminado também. Gosto de lugares claros, não só me ajuda pra fazer a foto, mas principalmente ver o que se está comendo, as pessoas, o ambiente e tudo mais.
Você vai ver em uma das paredes uma grande foto de um sanduíche que transborda recheio pelo prato, em outra parede, a mina do “we can do it” fazendo uma banana, um tipo de abajur grande, de teto, com tecido de flores que iluminam bem as mesa logo na entrada.

Chegamos e escolhemos uma mesa da parte dos fundos, mais alta. Isso já é meio que um teste pra ver o atendimento, o cara foi gente boa e falou que já iria ligara luz, que podíamos sentar lá. Diferente de quando fomos no Barba Hamburgueria que ficaram meio de cu doce para liberar as mesas vazias da parte superior.

Isso de sentar no fundo me lembrou uma pira que tenho e vou compartilhar com vocês.
Não gosto de sentar logo na entrada dos lugares com fácil acesso da rua e nem perto de janelas que dão para a rua. Se por um lado facilita uma fuga em caso de emergência, por outro acho que você fica muito vulnerável, que se chegar alguém atirando você é o primeiro a ser alvejado. E também porque sou elitista e não quero que pedintes que não tenham o que comer venham fazer com que eu me sinta culpado por estar ali comendo algo supérfluo. É, eu penso nesse tipo de coisa (o tempo todo).

Enfim, pirações de lado, vamos para a comida que é o que interessa para esse blog bonito.

Já vimos garçom anotar o pedido errado, normal, até acontece, mas dessa vez quem errou fui eu. Pedi errado.  “Ai, que buuurrro, dá zero pra ele!”
Era para pedir o Especial Chesse Burger e acabei falando e mostrando no cardápio o Chesse Burger normal.

Quando chegou na mesa a sensação que me deu foi de solidão ao ver o coitado do Chesse Burger sozinho naquele prato branco. Faltava alguém ali, faltava alma, faltava graça.
Nenhum dos hambúrgueres da casa acompanha batata frita (que marcação, galera!), mas também não custava fazer uma firula de barbecue no prato, uma folha de alface e uma rodela de tomate, sei lá, qualquer coisa para dar uma floreada. Alguém andou faltando a aula de guarnição do prato…

_MG_0006_

Em todo caso fiquei com o solitário e pobre Chesse Burger. Chegou rápido e comemos mais rápido ainda.

Mas só pão carne e queijo, é meio pouco, só vai quando não se está com fome ou está sem grana.
Como aqui pra gente rap é compromisso, quer dizer, hambúrguer é compromisso.
Traz um café que pão puro é foda.”

Pedi novamente, dessa vez aquele que eu queria inicialmente. Esse é valendo!
Novamente chegou rápido na mesa. Também solitário e simplório no prato branco, mas agora muito melhor e com muito mais vida dentro do pão.

_MG_0014_

O pão dos dois sandubas era o mesmo, o tradicional de hambúrguer, bem fresco,  com a porosidade que deixa fofinho, como um pão como deve ser, e com os gergelins se desprendendo, como não deve ser.
Mas quem liga para gergelim, por mim nem precisava ter isso.

De primeira achei a carne um pouco salgada. Pode ter a ver com o fato de que em casa sou acostumado com muito pouco sal. (Tem que cuidar da pressão, né? A idade está chegando e não quero ter um derrame enquanto for sexualmente ativo. Já é difícil achar uma gatinha sendo quase normal, imagina paralisado de um lado…. se bem que o Carpinejar é todo deformado e tem uma namorada gata, talvez eu deva me preocupar menos com o sal e mais em como fingir entender as mulheres, fazer frases de amor, essas picaretagens.)  Já o Yuri achou meio sem sal, então agora vocês tem que ir lá tirar a prova dos nove.

É um hambúrguer de tamanho médio(bom), um dedo de carne, nem grande e nem pequeno. Os meus dois foram tirados um pouco antes de ficarem bem passados, da para ver pela cor na foto.  Não chegou a secar a carne, mas poderia ter sido tirado um pouco antes, os sucos da carne misturando com os queijos ia fazer subir a nota. Desse jeito, passou raspando no nosso ENEM das hamburguesas.

Agora o que deu vida a esse hambúrguer: o queijo. É um Chesse Burger, derrr!
Essa mistura dos queijos acho que deu bem certo. Eu particularmente gosto, até mais do que devia, desse cheddar cremoso sem vergonha.  É artificial que só ele, mas eu gosto. Rola aquele lance de memória afetiva, me lembra comer cachorro quente de madrugada, não que eu faça muito isso, mas é legal.
A pastosidade do cheddar nesse caso ajuda bem já que não se tem nenhum molho(nem maionese) ou salada complementar que de uma umidade ao sanduíche. Lembrando que a carne estava quase bem passada.
Ah, e essa fatia de provolone, que beleza. Sabe o que é morder e sentir cortar o queijo com os dentes, e também puxar e esticar. Pois é, infelizmente nem sempre é assim. Acho que uns 36% do sucesso de um hambúrguer vem do queijo e a galera não presta muita atenção nisso.
O gosto e o salgado característico do provolone é sentido, mas não é sempre predominante,  às vezes ele é bem amenizado pelo cheddar. As texturas e consistências dos dois queijos mais a carne é bem interessante, só faltou um bacon em cubos, como no finado Alta Voltagem, para ficar uma experiência sensorial mais completa.

Gostei dessa mistura de dois queijos simples, na verdade um queijo e meio né, queijos processados são só 50% queijo. A outra metade deve ser algum derivado do petróleo porque esse negócio parece um plástico.

Por ser na área onde é comum “os boy beber dois mês de salário da minha irmã”,  o Bravus é considerado barato, tá certo que não tem acompanhamento de batata, mas a molecada vai curtir se descobrir que podem forrar o estômago com pouco dinheiro e vai sobrar mais para o gole ou até para pagar um drink para uma gata na balada (olha a dica molecada!).

 

Ficha técnica:

Especial Chesse Burger.

Ingredientes: “Pão, hamburger, queijo cheddar cremoso, provolone”.

Preço: R$8,50 do Chesse Burger +R$3,50 coca-cola lata + R$13,50 do Especial Chesse Burger. Total 25,50.

Ponto alto:  A boa fatia de provolone, bom tamanho, e ser meio em conta.

Ponto baixo: A inexistente apresentação, a carne poderia estar um pouco mais no ponto, e não ter acompanhamento de batata frita.

Avaliação: C

O Bravus Burger Grill que fomos fica na Av. Batel, 1.700, na frente de um tal Boteco Santi. Seg. – Sáb. 11:00 – 00:00 e Domingo das 17:00 – 00:00. Tem delivery, (41) 3010-2525.

 
4 Comentários

Publicado por em 08/09/2013 em Uncategorized

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

New York Café – NY Burger

Logo New york café curitiba

Disclaimer: a postagem de hoje foi escrita a quatro mãos e essa será a única resenha que o New York Café receberá no blog. O motivo? Só existe um tipo de hambúrguer lá. É, camaradas, essa hora chegaria, então aproveitem.

Como diria o canibal Cabôco Capiroba, de Viva o Povo Brasileiro, vamos por partes.

1- Nariz de Cera

Murilo: “New York city, I like New York city, oh, yeah… you know it’s true”.

Disse nosso querido e feioso Joey Ramone em seu último disco antes de bater as botas.  Não sei por que as pessoas gostam tanto de NY, talvez um dia eu vá para lá e ache tudo muito legal e fique fascinado pela grandiosidade da cidade, as ruas que nunca dormem e todo esse blá, blá, blá, ou como me conheço, é capaz que eu  ache tudo bem mais ou menos e que seja só mais uma grande cidade que engole a maioria das pessoas e cospe seus sonhos na beira de um rio poluído qualquer que corta a cidade.

Tudo isso é só para dizer que fomos no New York Café, aqui de Curitiba.

2- Descrição e conceito

Murilo: Se o lugar realmente parece com algum café de NY, eu não sei. Talvez sim, ou talvez pareça com a ideia de Nova York que temos por causa dos filmes e programas de televisão, ou por colocarem nas paredes vários elementos que fazem referência à cidade, lá mesmo não devem se autorreferenciar, eu acho.
Enfim, como disse, não conheço a big apple, o mais longe que fui da minha casa foi o Rio de Janeiro, então se um dia eu for para lá,  eu conto para vocês como é, e se esse NY Café e o Brooklyn de Curitiba se parecem com algum lugar original from USA.

Assim como o Brooklyn, tem aquele lance de parecer com um galpão industrial abandonado, com tijolos a mostra, estão ligados que isso é só pra juntar aranha nos buracos do tijolo né, eu não sentaria encostado nessa parede. Tem um stencil legal, no alto de uma das paredes, de uns prédios icônicos da cidade. Tem um lustre gigante desses pretos com penduricalhos tipo pedrarias de acrílico, um estilo rococó moderno, ou art deco, que pra mim é tudo a mesma coisa. E numa parte meio escondida tem um letreiro com lâmpadas vermelhas formando as letras NYC, que achei bem legal, pena que não dava para ver direito. Na parte da frente, externa, tem um banco desses de praça num pedacinho de grama verde, uma provável referência ao central park e ao mesmo tempo a falta de espaço das grandes cidades.

Em uma das mesas tinham três meninas, três cabelos coloridos para três drinks coloridos. A de cabelo azul tomava em um copo alto do tipo de refrigerante (o refri  é servido em copo de whisky), um drink amarelo clarinho. A de cabelo vermelho vivo(não ruiva), tomava um drink também vermelho forte, e a de cabelo preto uma bebida rosa claro, todos os copos com bastante gelo e um canudo. Duas delas tinham a blusa presa por dentro da saia, essas saias altas, para cima do umbigo, e a outra usava um vestido todo preto e comprido. Sim, eu observo as pessoas.

Yuri: Acho que o que o Murilo quis dizer é que mais uma vez nos deparamos com esse pastiche antropofágico com o qual somos obrigados a conviver vez ou outra em estabelecimentos temáticos. Ora, se é temático, é clichê, porque não é possível resumir uma essência a um espaço pequeno sem necessariamente incorporar seus elementos mais conhecidos.

O caso de Nova York é típico da profusão e polifonia que talvez a única cidade realmente cosmopolita dos Estados Unidos é capaz de proporcionar. Há a arte das ruas, há a arte pop das galerias, as luzes, a gentrificação de espaços industrializados, e enquanto estes elementos separados pouca coisa dizem ao nosso léxico de mundo, unidas representam bem o que é uma cidade grande em que o nível cultural é nivelado por baixo. Um lugar em que o Andy Warhol é rei é um sintoma disso. A Pop Art passou na história como a única arte que gente burra realmente acha que entende, e hoje não falta resquícios do legado desse movimento grotesco. O New York Café apreendeu esses signos e substituiu as luzes da ponte do Brooklyn por um lustre de madama, colocou uma parede de tijolos secos para representar a gentrificação, um grafitti da cidade para a arte urbana, quadros emoldurados de Warhol para a “fina arte” e pôsteres diversos porque pôster é uma coisa jovem e diz tudo o que seu dono quer que você saiba a seu respeito. Quem é que não gosta de pôster, não é mesmo?

3- O sanduíche propriamente dito

Murilo: Chega de enrolar, vamos para o hambúrguer, o NY Burger.

Quando chegou na mesa pensei:  “Tá bonito o bicho…Olha quanta batata!  E esse bacon!  Mas e esse pão furado?!”
Pois é, tinha tudo para ser dos melhores sandubas  com o qual nos deparamos na nossa jornada, mas… sempre tem um “mas” quando algo parece ser muito bom.  Bonitinha mas ordinária. Lindo mas é gay.  É legal mas vai na Wood’s…

_MG_0030_

Explicando os “mas” que fazem esse belo sanduíche não estar estar entre os tops do do nosso ranking.

Começando pelo pão, você pode escolher o tipo de pão(não lembro as opções), peguei o tradicional, que na minha cabeça seria o pão de hambúrguer, pão de leite, com gergelim ou não. Mas esse tradicional é mais tradicional ainda, é igual ao pão caseiro que a sua mãe faz, ou que aquela máquina faz na hora programada pra você que não tem uma mãe prendada (sinto pena de você, quais vão ser as memórias gustativas dessa geração de filhos das mães que não sabem cozinhar?).
É um bom pão para comer com margarina assim que sai do forno, e depois ficar com dor de estômago por algum tempo, mas não é um bom pão para um hambúrguer.  Isso descontando o fato de não ter formato de pão, é uma rosquinha com a massa do pão. A casca do pão estava dura como pão caseiro aqui de casa, quase impenetrável para o garfo, e não dava para comer sem os talheres.
Então começou a operação desmanche e descobri que a melhor forma de comer é por setores.

Yuri: o pão foi o maior problema para mim também. Aliás, como os sujeitos do estabelecimento gostam de chamar, é um “bagel”. Mas o bagel, tal qual os americanos o conhecem, é um pão antes de tudo macio, podendo ser doce ou salgado, e frequentemente usado para fazer sanduíches. Até então, não havia visto um hamburguer em um bagel. O bagel do New York Café era duro como pedra, e o meu, coberto de queijo ralado tostado no forno, estava mais duro ainda. Pra piorar, por baixo da carne havia uma generosa camada de molho, e entre a parte de cima e a carne, uma porção de salada. Desnecessário dizer para quem fez as contas de cabeça que na primeira mordida me caguei inteiro, os tomates pularam para fora do pão, dois litros de molho caíram no prato e a carne escorregou pra frente. Vencido já na primeira mordida, resignei-me a comer com talheres, algo que nunca faço por achar contrário à natureza do hamburguer. Pois bem, os talheres também não funcionaram. Mesmo o garfo não conseguiu penetrar direito no pão, e a pressão da força para tal acabou surtindo o mesmo efeito da mordida. Na segunda tentativa, meu sanduíche todo bem montado estava espalhado pelo prato. Foi assim que ele veio:

Bagel de queijo

Esse foi o maior problema do NY Burger pra mim: sua completa e ignóbil inoperância. De que adianta um hambúrguer que sai bem na foto e termina em um total desastre da forma? Fiquei irritado, e diferentemente do Murilo, que encontrou uma saída no ato de comer pão, carne e periféricos separadamente, eu comi tal qual um homem das cavernas para o desgosto das meninas supracitadas que me olhavam como se eu fosse o Capitão Caverna em pessoa. Tapa na cara da sociedade, também.

Murilo: Parte dois, a carne com o queijo e o bacon.

Pela primeira vez um queijo cheddar de fatia (duas fatias para ser preciso) e não aquele processado daquelas bisnagas que você vê nos caras que fazem cachorro-quente na rua. Ponto positivo.
Tem uma puta fatia bonita de bacon dobrada, não preciso dizer que isso enche os olhos e é uma delícia.
Esses dois em cima de um hambúrguer de 120g segundo o cardápio, mas achei que devia ter mais que isso, estava num tamanho bem satisfatório, suculento que escorria ao cortar. Não parecia carne moída e simplesmente apertada com a mão para dar forma, é uma carne bem processada e compactada, de “Angus Beef”, e tem gosto mesmo de carne assada, de bife de churrasco.

Yuri: O combo cheddar + carne + bacon mistura texturas e sabores de diferentes culinárias. O bacon infelizmente adiciona mais sal em um lanche já salgadérrimo, e pouco sabor comparado com a carne, que, essa sim, é mega suculenta. Um leve gosto de alcatra dava o tom de uma carne sólida e fibrosa, mesmo assim macia. A experiência mais próxima que tive disso foi no Elvis Costella, mas nem de longe aqueles caras chegaram perto desse resultado. O queijo, por sua vez, antecipa na mastigação a maciez da carne e prepara a mandíbula para uma pegada mais leve — pelo menos na teoria, infelizmente aqui existe esse bagel desastroso estragando tudo — e surpreendendo sua própria força maxilar com um obstáculo digno de se abocanhar com toda sua capacidade.

Murilo: Parte três, a parte inferior do pão com a salada e o molho. Alface branca em pequenos pedaços e umas duas rodelinhas de um tomate doce que derrapavam no molho que pra mim era um simples molho rose, rosé, ou também rosê, você escolhe como quer escrever.
Mas eles chamam de “russian dressing”: maionese com especiarias, mostarda, molho inglês e limão siciliano”. Eu preferia mesmo é que fosse uma russian undressing, se é que vocês me entendem.

Yuri: Nada que eu pudesse acrescentar a essa bela explanação. Até porque nem comi a salada. Já mencionei que ela pulou para fora do meu sanduíche na primeira tentativa infrutífera de mordê-lo e eu é que não sou o louco de recolher salada pra colocar de volta no sanduíche. Se escapou, escapou por conta própria e esse é um caminho sem retorno. Agora, o molho é bem gostoso e orna bem com a carne. Seria perfeito também para dar aquela umedecida no pão, mas fazer o quê? Já cansei de falar mal desse bagel e não vou insistir no assunto.

Murilo: E agora a coisa que fez desandar tudo e acho que foi o que me deixou mais frustrado.

Vem uma quantidade muito foda de batata frita, a maior porção que eu já vi como acompanhamento de um sanduíche. Uns baita palitos de batatas de verdade, uma lindeza! Mas, mais uma vez vem o mas… Sério, ou o maluco errou a mão ou sou uma mocinha mesmo (é, porque tem essa possibilidade também). É muito temperada, pra os iniciados deve ser uma pimenta leve, mas para que não é familiarizado, como eu, foi foda!
Foi tipo pegar uma garota linda, mas ela ter mau hálito. Você vai e encara um pouco, recua, pega um fôlego e volta a encarar, afinal não pode deixar passar porque não é sempre que chove na sua horta. É amiguinhos, a vida é dura e não é justa, reclamem com o seu Deus.
A parte do gosto do limão, do Lemon Pepper, é bem legal, mas a parte pepper ….  senti ruborizar o rosto, os olhos quase lacrimejarem e os beiços arderem. O que ajudou foi o molho extra, Turbo Sauce, que pegamos (nessa hora eu não estava prestando atenção no que a menina garçonete estava explicando, mas ainda bem que ela ofereceu, o Yuri prestava atenção e aí aceitamos esse molho). O turbo sauce é um molho de queijos numa consistência pastosa, feito com cream cheese, provolone e cheddar, foi o que salvou para dar uma rebatida na picância do Lemon Pepper.

Pensei em desistir das batatas, mas comi todas porque estavam muito bonitas e seria um puta desperdício de comida, de dinheiro, e porque aqui o negócio é NYHC!!

Yuri: O problema com as batatas, (engraçado assim tipo The Trouble With Harry), é, como bem disse o Murilo, o tempero. A pimenta e o limão deixou a coisa com gosto de batata chips de rodoviária, daquelas temperadas também. Nada agradável e tudo muito forte. Aliás, diria que esse é o maior problema da cozinha do New York Café: o excesso de protagonismo. Tudo precisa ser uma explosão de sabores fortes, tudo precisa ter sua marca, não há coadjuvantes que amenizem as notas de entrada, não há jogo de texturas sem sabor, só existe porrada atrás de porrada, e isso não é jeito de se comer. Mal comparando, é como o filme Os Mercenários: só tem estrela e ninguém quer ser escada pra ninguém. O resultado, se vocês viram Os Mercenários, é uma merda. Acho que assim como a boa música não é feita apenas de notas, mas também de pausas, as pausas gustativas são igualmente importantes. Fica aí um ponto para reflexão.

Murilo: Por causa das batatas apimentadas dividimos, de uma forma muito homoafetiva, uma pequena sobremesa de chocolate, que ficou ao centro da mesa e cada um com a sua colher pegou pequenos pedaços do que seria um gostoso brigadeiro meio amargo gelado… mas essa cena prefiro esquecer e espero que você não imaginem muito, obrigado.

Yuri: Gay gay gay gay gay gay gay gay gay. Ah, foda-se.

Murilo: Resumindo, são bons ingredientes e quantidades, mas o pão não é funcional e faz com que o sonho comece a desmoronar, acho que também não precisava do molho rose, só um pouco de maionese já cumpriria o papel e deixaria menos temperado, todos os gostos meio que brigam para chamar a nossa atenção ao invés de se complementarem. Fora a errada de mão no “lemon pepper”.

E tem que ir cedo dia de semana, fecha às 20h.

Ficha técnica:

NY Burger

Ingredientes: “Hamburguer de 120g de Angus Beef, bacon, queijo cheddar, alface, tomate e russian dressing”. Acompanha batatas.

Preço: R$15,00(preço bom até) + coca-cola lata 3,00… mais o molho extra e metade do doce deu no total R$26,37.

Ponto alto:  Boa carne e no ponto, bacon bonito, cheddar em fatias e a quantidade de batatas rústicas.

Ponto baixo: O pão rosquinha que não funciona e o excesso do tempero.

Avaliação: C

O New York Café fica na Rua XV de Novembro, 2916, no Alto da XV.  De terça a quinta, das 12h às 20h, sextas e sábados das 12h às 22h, e domingo das 14h às 20h.  (41) 3077-6922.

 
3 Comentários

Publicado por em 03/01/2013 em Uncategorized

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Hamburgueria do Vicente – Pesto Mio

A Hamburgueria do Vicente foi uma missão especial para nós. Pela primeira vez, deixamos nossa caminhada peripatética até alguma hamburgueria dentro de nossas cercanias e nos aventuramos automobilisticamente Vicente Machado acima para encontrar o que muitos apontam como uma das melhores casas da cidade especializadas em carne moída no pão do jeito estilizado e compactado que só quem tem ginga na meia-cancha sabe. Pegar o carro para ir até o bairro vizinho e comer um hambúrguer é marca de profissionalismo na minha humilde porém infalível opinião.

A Hamburgueria do Vicente, além de ser mocada numa casinha que em pouca coisa se parece com um estabelecimento comercial – quando muito o cartaz no muro ao lado (vide foto abaixo), tem um estilo dúbio de decoração: um flerte entre o popular e o refinado. De um lado, grades na janela e uma logo que mais parece logo de trailer de hamburgão nervoso com slogans escritos na mesma fonte do Burger King (como se os símbolos das duas lojas já não guardassem terríveis semelhanças): do outro, cardápios chiques, mesas e sofás feitos sob medida e um preço que obviamente não foi feito para quem chegou ali de ônibus. Algo que provavelmente passa por uma evolução do conceito de “rústico chic”, que fez a cabeça da galeria ligada em gentrificação e remodelações urbanísticas a partir de construções degradadas. Obviamente, o próximo passo lógico dessa reciclagem imobiliária era repaginar as casinhas que você ganhava no peão da casa própria, então cá estamos!

O cardápio do recinto, como já foi falado, é variado, o que, em parte me levou a escolher o lanche que escolhi. Ora, não vim de tão longe para comer o feijão-com-arroz em forma de hambúrguer, vim ver o que há de transgressor na cozinha do Vicente. E, amigo, o Pesto Mio é pra lá de transgressor. Afinal, não é todo dia que a gente vê um hambúrguer com molho pesto, tomate e coberto com uma generosa camada de queijo provolone semi-derretido. Veja com seus próprios olhos:

Convenhamos que a apresentação do prato é bonita, com o tradicional matinho e tomatinho decorativo e uma cobrinha de vinagre balsâmico mas, vem cá: que batatinha afetada é essa que me deram? Vejam, a forma como certas comidas se apresentam fazem toda a diferença. Comer um x-picanha com picanha picada dentro de um pão certamente é diferente de comer um pão com um pedaço inteiro de picanha dentro (a experiência exige caninos treinados em anos de evolução predatória), assim como comer macarrão com pão italiano é diferente de comer macarrão com torradas. Essa batatinha chips que acompanha o lanche é a típica invenção fora de hora, que urge do âmago do inventivo chef que não suporta ficar duas semanas sem inventar moda. Ou, vai saber, alguma memória deturpada da infância – do mesmo tipo que faz o cara comer algo que objetivamente não é gostoso só porque tem “gosto de infância”, tipo, sei lá, acerola. Mas definitivamente não é algo que combine com um lanche suculento e gorduroso como um hambúrguer. Guarde suas chips para suas saladinhas insossas, amigão.

O pão esconde embaixo de si suas surpresas, e a carne também. Falemos delas, mas primeiro, dê uma olhada nessa foto:

Hamburgueria do Vicente

Primeiro, observe a maciez que os corpos cavernosos nesse pão sugerem à superfície. Esse tipo de coisa não se consegue com um pão que não é fresco. Esse pão foi assado provavelmente há pouquíssimas horas antes de vir parar nas minhas entranhas, e boa parte do big picture do hambúrguer se ganha no pão – porque veja, comprar um pão no supermercado, cortá-lo e colocar um hambúrguer dentro, isso qualquer um faz. Mas o cara que quer dominar a arte da hamburgueria tem que passar umas horas amassando o pão que faz a raça. E como vocês sabem, todo BOM restaurante italiano hoje em dia tem a sua padaria – senão dentro do restaurante, alguma conveniada onde pode pegar mercadorias fresquinhas. Mas esse pão não é de todo uma perfeição. Para quem dispensar os talheres e se aventurar a comê-lo com a mão – me perdoem, mas o propósito de John Montagu ter inventado o sanduíche foi justamente poder comê-lo com as mãos – vai encontrar um farináceo em seu porão. Como não pedi nenhum ciabata ou coisa que o valha, o farelo (provavelmente a base de milho, a julgar pelo seu tom amarelado), é um indicativo de forma excessivamente untada, e a culinária, na minha opinião, não se faz encobrindo os erros nivelando tudo por cima: há de se saber encontrar o ponto ideal a que apenas a prática repetida pode alcançar.

O queijo é uma deliciosa surpresa. Eu mesmo que nunca fui muito fã de provolone, espantei-me de ver o quão bem ele se encaixa com a tessitura umidamente árida do molho pesto. Normalmente acompanhado de queijos secos, como o pecorino ou o parmesão, o pesto é o cátodo que pede um anodo em forma de consistência e ligadura que geralmente é correspondido pelas massas. Mas o provolone, capaz de soltar seus óleos quando quente sem contudo perder sua propriedade sólida, funciona como um sistema de irrigação que aflora o sabor do condimento lígure, dando a ele uma propriedade quase etérea, como se a função do pesto fosse, com o perdão do trocadilho, pestear não a comida, mas nosso olfato a se perceber mais impregnado pela mistura de manjericão, azeite, alho e outros segredos. Diria que, entre o vasto universo dos queijos que se poderiam ter usado para compor o Pesto Mio, o provolone foi o mais acertado.

Mas afinal, e a carne? Bom, a carne, como vocês podem ver na foto acima mais uma vez, a carne tem um teor considerável de gordura (em torno de 15%, se eu tivesse que chutar) mas, mesmo assim, os sucos vitais se vão, deixando apenas o sabor numa carne surpreendentemente mais seca do que deveria ser. Veja, com 15% de gordura na carne, eu não espero nada menos do que uma bexiga de carne liquefeita exalando aromas inebriantes e escorrendo sangue e água corpórea. Se o sujeito deixa a carne passar do ponto – não necessariamente deixar bem passada, mas apenas passar do ponto que manteria essas condições ideais do hambúrguer – o valor da carne com gordura se perde em reações exotérmicas de cozinha barata e todo mundo sai perdendo: o chef perde em dinheiro e em reputação, eu perco em sabor e expectativa. Mesmo assim, a carne não é ruim e não é passada demais, mas é boa e levemente irrigada com o óleo do provolone.

Ah sim, o prato vem também com um potinho de maionese todo enfeitado. Como se fosse a coisa mais chique do mundo comer maionese. Na verdade, a maionese em questão é bem desagradável, com um sabor acentuado de cebola e limão, só fazendo sucesso mesmo com quem é do time da tampinha verde. Para as pessoas normais do juízo, é só uma maionese ruim.

Ficha técnica:

Pesto Mio

Ingredientes: Pão especial (especial mesmo), hambúrguer do Vicente (shame on you, seu Vicente), molho pesto, tomate, e muito queijo provolone derretido.

Preço: R$19,80 + R$ 3,20 refrigerante lata. Geralmente reclamaria desse tipo de preço, mas o Murilo está me ensinando a não reclamar do preço alto da carne porque, enfim, a carne já cobra seu preço alto na vida de outros animais. Uma compensação kármica/capitalista, se preferir.

Ponto alto: Pão excelente, combinação perfeita entre provolone e molho pesto e uma decoração apresentável. A carne também é saborosa.

Ponto baixo: Carne seca, batatinha chips afetadas e um preço salgado (tá, ainda tô reclamando do preço)

 Avaliação: B-

A Hamburgueria do Vicente fica na Av. Vicente Machado, 1.927 – Batel. Funciona de terça a sexta das 11h30 às 15h e das 17:30 às 23h30. Sábados e feriados das 12h às 23h30 e domingos das 13h às 22h.  (41) 3024-4171.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 04/20/2012 em Uncategorized

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , ,